Marcelo agradeceu aos portugueses pela subida do rating de Portugal

Em nota publicada no site da Presidência, chefe de Estado sublinha que esta agência, a norte-americana Moody's, foi "a última a reconhecer que o investimento em Portugal é credível e com futuro"

O Presidente da República agradeceu na noite desta sexta-feira aos portugueses os esforços destes anos, que permitiram a decisão de mais uma agência internacional de notação financeira de subir o rating atribuído a Portugal.

Numa nota publicada no site da Presidência, o chefe de Estado sublinha que esta agência, a norte-americana Moody's, foi "a última a reconhecer" a recuperação do país e "a reconhecer agora que o investimento em Portugal é credível e com futuro".

A agência de notação financeira Moody's subiu hoje o rating de Portugal para 'Baa3', com perspetiva estável, retirando o país do 'lixo'.

Desde julho de 2014 que a agência de rating norte-americana tinha atribuído a Portugal a notação 'Ba1', sendo até hoje a única entre as quatro maiores agências a atribuir à dívida pública portuguesa uma nota especulativa, quando já Standard & Poor's (S&P), Fitch e DBRS tinham colocado o país no patamar de investimento.

Para a subida do rating, a Moody's apresenta duas razões: "a elevada dívida pública de Portugal tem evoluído para uma tendência de queda sustentável, embora gradual, com limitados riscos de reversão", e o "alargamento dos 'motores' de crescimento de Portugal e uma melhoria da posição externa", que "aumentaram a resiliência económica".

Também hoje, a agência canadiana DBRS manteve o rating atribuído a Portugal em 'BBB', com perspetiva estável, depois de em abril ter melhorado a notação financeira de 'BBB (baixo)'.

"A confirmação da perspetiva estável reflete a visão da DBRS que os riscos para a notação estão amplamente equilibrados", refere a agência de 'rating' em comunicado, salientando que, "embora moderado na primeira metade de 2018, quando comparado com 2017, projeta-se um crescimento real do PIB [Produto Interno Bruto] de 2,3% para o ano completo, acima da média da zona euro".

De acordo com a DBRS, o défice orçamental e o rácio da dívida relativamente ao PIB vão "continuar a diminuir" e o crédito malparado (NPL) dos bancos também está a recuar.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.