Bala que matou comando não pertencia ao lote das armas de serviço

Operação da PJM realizada por indicação do Ministério Público de Sintra visou militar que estava de guarda no dia em morreu soldado madeirense.

A PJ Militar (PJM) deteve esta quarta-feira um militar "pela presumível autoria de um crime de homicídio" no interior do Regimento da Carregueira.

A informação consta de um comunicado da PJM e refere-se a uma morte que inicialmente se admitiu ter sido suicídio.

O caso ocorreu a 21 de setembro deste ano, quando um soldado natural da Madeira e que estava de folga morreu no interior do quartel da Carregueira.

Segundo fontes ouvidas pelo DN, a tese do suicídio de Luís Teles foi afastada com base nos resultados das perícias laboratoriais.

A ausência de pólvora nas mãos do soldado morto foi um dos resultados das perícias que permitiram afastar a hipótese de suicídio, adiantaram as fontes.

O militar alegadamente responsável pela morte, de origem africana, foi detido pela PJM ao princípio da tarde e por ordem do comandante do regimento - a pedido da procuradora titular do processo - após regressar de uma ida ao Hospital das Forças Armadas /(HFAR).

O militar detido, com base num mandado de detenção do Ministério Público de Sintra, estava de guarda ao quartel naquele dia e foi com um disparo da sua espingarda G3 que o militar madeirense morreu.

Desconhecem-se ainda as razões que estiveram na base do disparo que provocou a morte do soldado madeirense, que tinha vindo há pouco tempo da missão na República Centro-Africana e pertencia à mesma equipa do militar agora detido.

Segundo uma das fontes, a bala com que o soldado Luís Teles foi morto não era do lote correspondente às armas de serviço, o que suscita a questão de saber se houve eventual premeditação por parte do soldado que naquele dia estava de guarda ao paiol do quartel da Carregueira.

O detido vai agora ser presente a interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação "tidas por adequadas", admitindo algumas fontes que tal ocorra apenas na sexta-feira devido à greve em curso no setor​.

Exclusivos