Ministro do Ambiente: emergência do caudal do Tejo "está ultrapassada"

Governo espanhol prometeu resolver o quase esvaziamento da barragem de Cedillo até 15 de dezembro.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática afirmou que a emergência no caudal do Tejo "está ultrapassada" e adiantou que o Governo espanhol prometeu resolver o quase esvaziamento da barragem de Cedillo até 15 de dezembro.

Em declarações à rádio TSF, João Pedro Matos Fernandes adiantou que existiu uma reunião entre Portugal e Espanha sobre o assunto.

"A reunião foi feita - não por mim, mas pelo nosso embaixador em Madrid -, e Espanha, ao pedido que o Governo português fez, subscrito por mim, respondeu sim e comprometeu-se com a data de 15 de dezembro para estar regularizado. Chegar à quota 114 partindo de uma quota 96", assevera o governante.

De acordo com o ministro, a evolução está a ser favorável, salientando que no domingo já tinha chegado à quota 109."

João Pedro Matos Fernandes disse que a "emergência" no caudal do Tejo "está ultrapassada" e adiantou que "terá oportunidade de falar sobre o assunto com a ministra da Transição Ecológica espanhola, Teresa Ribera, na quarta-feira no Conselho de Ministros, em Bruxelas.

Governo trabalha com as autarquias de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão

O ministro esclareceu, em declarações à TSF, que uma reunião direta com a ministra espanhola do Ambiente "já não é urgente, porque a situação está ultrapassada".

O governante destacou também estar a trabalhar com as autarquias afetadas pela barragem de Cedillo (Castelo Branco e Vila Velha de Ródão) para que os prejuízos causados nas estruturas locais sejam "rapidamente repostas ou financiadas pela Agência Portuguesa do Ambiente"

A ministra da Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera, reconheceu na semana passada haver "um problema de represas em cadeia" que afetam o caudal do rio Tejo, mas assegurou que Madrid "nunca falhou" os acordos com Portugal.

"O nosso problema é que temos de assegurar uma quota mínima [na albufeira de Cedillo], porque abaixo dessa quota não está assegurado o abastecimento [de água] a Cáceres [cidade espanhola a cerca de 90 quilómetros da fronteira portuguesa], disse Teresa Ribera à Lusa em Madrid.

A ministra em exercício acrescentou que Espanha está a "enviar e a soltar água" de Cedillo de acordo com "picos" que vai recebendo a montante, mas assegurou estar "confiante" que "isso se vai estabilizar no curto prazo".

A regularização do caudal que chega a Portugal, o principal problema apontado pelo Governo de Lisboa, "depende da água que vem de mais acima", disse Teresa Ribera.

"O principal problema de Cedillo é que está associado ao abastecimento de Cáceres. Esse é um ponto crítico que temos de ver como se resolve", concluiu a ministra da Transição Ecológica espanhola, que afirmou manter "uma relação e conversação, não só cordiais como também frequentes, com o ministro português" da mesma pasta.

O ministro português do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, reafirmou há umas semanas em Ílhavo (Aveiro) a necessidade de "aprofundar a Convenção de Albufeira", que regula as transferências de água de Espanha para Portugal, para haver uma maior regularidade nos caudais do Tejo, afastando, no entanto, a possibilidade de o país obter um maior caudal vindo de Espanha.

Matos Fernandes avisou que a negociação dos caudais do Tejo é uma tarefa "extraordinariamente difícil", adiantando que "Espanha defende que se há maior irregularidade na chuva também se deveria tornar ainda mais irregular o cumprimento dos caudais previstos na Convenção" de Albufeira.

O ministro criticou na altura a forma como Espanha cumpriu esse acordo no último ano hidrológico, com "o esvaziamento da albufeira de Cedillo sem compensação a partir das albufeiras a montante, nomeadamente Alcántara e Valdecañas", esperando que esta atitude não se repita.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...