Ministro da Administração Interna nomeia presidente de sindicato do SEF para cargo internacional

Manuela Niza é militante do PS e preside ao Sindicato dos Funcionários do SEF. Vai representar Portugal no Centro para o Desenvolvimento de Política Migratória, em Viena. Não é inspetora e isso está a causar algum incómodo.

A presidente do Sindicato dos Funcionários do SEF (SINFEF), o segundo desta força de segurança, a seguir ao dos inspetores, que representa o pessoal não policial, foi nomeada pelo ministro da Administração Interna para representar Portugal no Centro Internacional para o Desenvolvimento de Política Migratória (ICMPD), em Viena, na Áustria.

Manuela Niza é militante do PS e criou a "setorial das migrações" no partido há três anos. É quadro do SEF na área administrativa e é conhecida por ser combativa na defesa dos funcionários não policiais desta força de segurança, criticando muitas vezes o poder político por não ceder às suas reivindicações.

A sindicalista, que confirmou ao DN a sua nomeação para o ICMPD (Internacional Center for Migration Policy Development), não teme que esta designação possa ser interpretada como uma forma de a silenciar. "É conhecer-me mal", sublinha, revelando que "o convite foi feito há mais de um ano, nas vésperas das grandes greves e a condição que coloquei foi levar até ao fim as negociações para a nova Lei Orgânica, que estará terminada em julho. Vou para Viena mas continuo como presidente do SINSEF".

A nomeação de Niza está, no entanto a causar algum incómodo no SEF, principalmente entre os inspetores, que questionam as suas competências para tratar das matérias do ICMPD, cujo universo de ação de prende com o estudo, avaliação e execução de projetos na área das políticas migratórias e asilo - com financiamento da União Europeia.

É a primeira vez que um quadro não policial é escolhido. O anterior representante do SEF era um inspetor-coordenador, Luís Gouveia, que foi diretor-nacional adjunto e se encontra agora da Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia (REPER), como oficial de ligação para as migrações.

Segundo Manuela Niza, o seu nome foi proposto pelo anterior diretor do SEF, Carlos Moreira, que pediu demissão em janeiro passado, menos de um ano depois de ter tomado posse. "Trata-se de um projeto de extrema importância para Portugal do ponto de vista estratégico relativamente as migrações", salienta a dirigente sindical.

O DN perguntou ao SEF, atualmente dirigido por Cristina Gatões, e ao gabinete de Eduardo Cabrita quais tinham sido os critérios para a escolha de Manuela Niza, bem como as suas qualificações e experiência naqueles temas, mas não obteve resposta.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG