Mergulhadores inativam explosivos da II Guerra Mundial

Militares portugueses na força naval da NATO no Atlântico participaram em missão para detetar minas antigas ainda no fundo do mar.

Uma equipa de mergulhadores da Armada portuguesa identificaram e desativaram 26 engenhos explosivos, na última semana, detetados num antigo campo de minas a norte da ilha alemã de Fehmarn, no mar Báltico.

Em comunicado, o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) informou esta segunda-feira que as minas de fundo eram de origem inglesa e foram ali colocadas para bloquear a navegação marítima naquela zona durante a 2-ª Guerra Mundial.

Os quatro mergulhadores da Armada participaram numa operação de seis dias da componente de guerra de minas da força naval permanente da NATO (SNMG1) no Atlântico, especificamente em missão nos mares Báltico e do Norte, atuando a partir do navio caça-minas alemão Weilheim e com o apoio de um drone.

No total, os quatro mergulhadores militares portugueses ao serviço da NATO (desde o final de julho) realizaram 43 mergulhos, das quais 36 para identificar a posição dos explosivos e sete para os inativar, adiantou o EMGFA.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG