Meios aéreos estão a ser suficientes, garante Eduardo Cabrita

Mais de uma centena de fogos que ocorreram na quarta-feira fora atacados e extintos logo na sua fase inicial com duas dezenas de meios aéreos.

Os meios aéreos disponíveis para combater fogos florestais, embora menos que o previsto, estão a ser suficientes para a Proteção Civil responder a todos os casos, garantiu esta quinta-feira o ministro da Administração Interna.

Eduardo Cabrita, que falava aos jornalistas em Belas e à margem do maior exercício de Proteção Civil realizado em Portugal, deu o exemplo dos mais de 100 incêndios ocorridos quarta-feira em todo o território nacional e que foram extintos logo na sua fase inicial com o envolvimento das duas dezenas de meios aéreos em operação.

O governante adiantou que até ao fim de semana começam a operar mais 12 meios aéreos, elevando para dois terços dos 60 anunciados como disponíveis a 01 de junho deste ano. Eduardo Cabrita deixou ainda a garantia de que, em caso de necessidade, serão lançados todos os concursos por ajuste direto que forem precisos.

Mourato Nunes, presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), assumiu ter de garantir a capacidade de resposta dos serviços com os meios disponíveis e que, para compensar as aeronaves ainda em falta, foi feito um reforço dos meios terrestres.

Eduardo Cabrita destacou ainda que Proteção Civil foi capaz de responder quarta-feira aos mais de 100 fogos florestais apesar de ter centenas de elementos afetos ao exercício europeu Cascade'19 nos distritos de Aveiro, Lisboa, Setúbal e Évora.

"Estamos preparados, como estamos a demonstrar", frisou o ministro da Administração Interna, falando no meio dos escombros de uma antiga fábrica de cerâmica utilizada como um dos cenários do exercício de Proteção Civil iniciado terça-feira e que se prolonga até sábado.

O Cascade'19 é um exercício real com mais de 3500 operacionais e figurantes que testa a capacidade de resposta simultânea a um ciclone na zona de Aveiro e um terramoto de grande intensidade em Lisboa, Setúbal e Évora - cidade onde o ministro da Defesa acabou por ficar ferido e ser transportado para o hospital.

O exercício engloba 40 cenários diferentes e ao pedido de ajuda português responderam, através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, cinco países: Espanha, França, Alemanha, Croácia e Bélgica. "Quem está fazer o exercício não sabe" a dimensão dos estragos, quando têm de responder e a que tipo de circunstâncias", destacou o ministro Eduardo Cabrita, após o briefing dado pelo comandante operacional da Proteção Civil, Duarte Costa, no posto de comando instalado na base aérea de Sintra.

Colapso de pontes, acidentes rodoviários, derrames de poluição marítima e produtos químicos, incêndios e derrocadas de edifícios foram algumas das consequências do ciclone e do terramoto (mais as réplicas) a que os agentes de proteção civil portugueses e estrangeiros têm estado a responder - e que, até esta manhã, já tinham provocado 192 mortos e 712 feridos.

Com a presença de vários responsáveis europeus de Proteção Civil, o exercício está a servir para as Forças Armadas - a quem as autoridades civis pediram ajuda - testarem a sua capacidade de apoio a calamidades de grandes dimensões.

Nesse sentido, pela primeira vez foi ativado o Estado-Maior da Força de Reação Imediata (FRI) e o respetivo posto de comando móvel que, por exemplo, está a operar os sistemas de comunicações apenas via satélite.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.