Marinho Pinto diz que Pardal Henriques seria "excelente" candidato a deputado

O líder do Partido Democrático Republicano elogia o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, mas não revela se estará nas suas listas para as próximas eleições legislativas.

Marinho e Pinto, líder do Partido Democrático Republicano (PDR), assumiu esta terça-feira, em entrevista à Rádio Observador, que Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, "seria um excelente candidato à Assembleia da República".

Apesar de tudo, não quis esclarecer se o dirigente sindical será candidato pelo PDR nas próximas eleições legislativas, limitando-se a dizer que "é uma hipótese". "Não confirmamos nem desmentimos nenhum nome que seja apresentado pela comunicação social sem que as listas estejam aprovadas", disse, lembrando que poderia dizer uma coisa sobre essa possibilidade e o conselho nacional do seu partido "dizer que não"

Marinho e Pinto esclareceu ainda as razões que fazem de Pardal Henriques um bom candidato a deputado: "Liderou ou participou num processo de luta sindical, um dos fenómenos mais importantes da democracia portuguesa, ou mesmo o mais importante, sobretudo após a fase da degenerescência da democracia."

Nesse sentido, remeteu para o dia 26 de agosto uma decisão final do concelho nacional PDR sobre este assunto, mas admitiu rever-se "na substância" da forma como Pardal Henriques se posicionou na paralisação dos motoristas de matérias perigosas. "Andavam pessoas a trabalhar mais de 70 horas por semana e a receber a grande fatia dos seus ordenados em subsídios para que os patrões não paguem contribuições para a Segurança Social. O objetivo desta luta foi tudo ser contabilizado", disse, assumindo que a forma como o Governo geriu esta greve "não diferiu muito da forma como as ditaduras tratam as lutas que não lhes agradam".

"A ditadura mandava a polícia de choque carregar sobre os trabalhadores. Neste processo, houve motoristas a trabalhar com armas apontadas", finalizou Marinho e Pinto.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.