Marinha desclassifica documentos da guerra colonial

Consulta da documentação desclassificada, maioritariamente sobre o período da guerra colonial, está disponível na biblioteca central da Marinha.

Mais de um quilómetro de documentação da Marinha até agora classificada, essencialmente o período da guerra colonial (1961-1974), já está acessível aos investigadores e público em geral para consulta no Arquivo Histórico do ramo, em Lisboa.

A Marinha, em nota publicada esta sexta-feira na sua página oficial, adiantou que o trabalho teve início em 2017 com a criação da Comissão de Desclassificação de Documentos, em fevereiro desse ano.

A iniciativa determinada pelo então chefe do ramo, almirante Silva Ribeiro, visou dar resposta à vontade expressa por investigadores, jornalistas e estudantes para acederem ao referido "acervo documental que reflete uma parte importante da história de Portugal".

Dado que a classificação dada aos documentos inviabilizava a sua consulta, Silva Ribeiro - também académico e professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa - criou a referida comissão com a finalidade de "resgatar a memória do passado próximo e criar condições para que a memória se transforme em História", lê-se na nota publicada pela Marinha.

A guerra colonial iniciou-se em Angola e alargou-se depois às antigas colónias ultramarinas de Moçambique e da Guiné, sendo este o principal teatro de operações de combate em que a Marinha - através das unidades de fuzileiros especiais - esteve envolvida até 1974.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.