Maria Begonha é a nova líder da Juventude Socialista

Candidata única, que recentemente tem sido alvo de polémicas devido a questões sobre o seu currículo, recebeu 72% dos votos no congresso da JS que decorreu em Almada neste fim de semana.

A Juventude Socialista (PS) tem nova liderança desde este domingo. Maria Begonha, de 29 anos - completa 30 em janeiro -, cuja candidatura ficou marcada por diversas polémicas em torno do seu currículo profissional, venceu a eleição em que era candidata única com 165 votos favoráveis (72%), registando-se ainda 47 votos em branco e 16 nulos.

A eleição da 13.ª secretária-geral da JS - que sucede no cargo ao deputado Ivan Gonçalves - foi controversa até ao final, com a entrega este sábado, no XXI congresso da JS, de um requerimento visando a suspensão dos trabalhos, que acabou por ser levado a votação e chumbado.

Na mesma tarde, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, deslocou-se ao congresso para defender a candidata única e assegurar aos delegados que esta "não mentiu no currículo".

Ações na justiça

Na sexta-feira já tinha dado entrada uma providência cautelar, no Tribunal Central Cível de Lisboa, invocando irregularidades várias na convocatória do congresso. E foi com base nessa providência cautelar que foi ontem pedida a suspensão dos trabalhos. A ação só poderá ser apreciada nesta segunda-feira, desconhecendo-se que impacto poderá ainda ter.

Os alegados erros e incongruências no currículo da nova líder da JS foram também alvo de uma queixa-crime, apresentada por Gustavo Ambrósio, militante da JS, sendo que segundo avançaram o Expresso e o Observador o Ministério Público abriu um inquérito para averiguar as denúncias, que vão desde a idade indicada numa biografia oficial - os 30 anos são o limite para ser militante da JS - a habilitações académicas.

Não está prevista a presença de António Costa no encerramento do congresso da JS. Carlos César, presidente e líder parlamentar do PS, fará o discurso de encerramento.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.