Marcelo rejeita "situação crítica ou grave" do seu estado de saúde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, rejeitou sexta-feira haver "alguma situação crítica ou grave" com o seu estado de saúde, depois de ter feito depender uma recandidatura ao cargo de exames médicos que fará em breve.

"Não há nenhuma situação crítica ou grave, senão eu teria dito porque é de interesse público", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas portugueses, em Atenas, cidade à qual se deslocou para participar no 15.º encontro informal do Grupo de Arraiolos com homólogos da União Europeia.

Um dia após ter sido divulgado que o chefe de Estado português será submetido dentro de três ou seis semanas a um cateterismo por prevenção, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que "o estado de saúde de um Presidente, tal como a sua situação económica e financeira, é de interesse público".

Ainda que tenha garantido sentir-se "otimamente" e que não vai mudar a agenda prevista, o Presidente da República concluiu que é "melhor prevenir do que remediar".

"Aqui estou em Atenas, tenho a visita de Estado em Itália em novembro e hão de ver não sei quantos programas em Portugal e, portanto, não vou alterar programa nenhum", assegurou Marcelo Rebelo de Sousa, confessando ainda ter andado quase cinco quilómetros na noite anterior na capital grega.

Entretanto, "no meio disso tudo, irei encontrar um dia ou uma tarde para completar os exames que fiz", apontou.

Nas próximas semanas, Marcelo Rebelo de Sousa será, então, submetido a um cateterismo num hospital público, intervenção que vai realizar em regime de ambulatório e por conselho dos seus médicos.

"Estive calado durante o período da campanha eleitoral e a primeira entrevista que estava marcada e que foi gravada foi aquela em que me perguntaram pela saúde e respondi"

"Havendo a possibilidade de fazer um exame para completar os que foram feitos -- e no caso muito especifico garantir que a calcificação no vaso sanguíneo não tem problemas nem no presente nem no futuro - eu farei esse exame quando tiver uma ocasião", referiu esta sexta-feira o chefe de Estado.

Num excerto divulgado na quinta-feira à noite de uma entrevista dada ao programa de entretenimento "Alta Definição" da SIC, Marcelo Rebelo de Sousa condicionou a sua recandidatura a Belém ao seu estado de saúde, nomeadamente por estar preocupado com a sua condição cardíaca.

O chefe de Estado disse também que, se decidir recandidatar-se, tenciona manter o "estilo de Presidência", que é "de proximidade", e, por isso, terá de estar em boas condições de saúde.

Nesse excerto do programa que será exibido no sábado, o Presidente da República admitiu ainda que, em termos de percentagem, está hoje mais próximo da recandidatura do que do inverso.

Questionado hoje sobre o porquê de ter utilizado este meio para anunciar tais exames, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu "porque calhou".

"Estive calado durante o período da campanha eleitoral e a primeira entrevista que estava marcada e que foi gravada foi aquela em que me perguntaram pela saúde e respondi", indicou.

Já quanto a um possível anúncio de uma recandidatura a Presidente da República, disse que isso só deveria acontecer "mais próximo das eleições", que estão previstas para janeiro de 2021.

Desde que foi eleito presidente da República, Marcelo já teve de recorrer a assistência hospitalar por duas vezes. Em dezembro de 2017 foi internado de urgência no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, para uma intervenção cirúrgica a umahérnia umbilical. Teve alta três dias depois, no dia 31 de dezembro.

No ano passado, em junho, Marcelo Rebelo de Sousa sentiu-se mal durante uma visita ao Santuário do Bom Jesus, em Braga. Teve um desmaio ainda de manhã e foi levado para o Hospital de Braga, mas poucas horas depois deixou as instalações hospitalares.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.