Marcelo admite problema cardíaco e deixa recandidatura em aberto

Presidente da República revela que realizou exames de saúde e irá submeter-se a um cateterismo "daqui a algumas semanas". A recandidatura a Belém mantém-se em aberto.

Marcelo Rebelo de Sousa irá fazer um cateterismo, dentro de algumas semanas, revelou o próprio Presidente da República numa entrevista à SIC, em que diz que mais vale prevenir.

"Achei que devia fazer exames em matéria cardíaca", disse Marcelo, tendo em conta que já o avô e o pai tinham problemas cardíacos. "E fiz e, felizmente, genericamente estão bem, mas restou uma dúvida que vai obrigar a um novo exame. E, portanto, vou ter de fazer daqui a umas semanas um cateterismo", explicou na entrevista a Daniel Oliveira do programa Alta Definição. Um excerto do programa, que vai ser transmitido no sábado, foi hoje exibido no Jornal da Noite.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que se trata mais de prevenção, numa questão de "bom senso e bom juízo". "É para ver se num determinado vaso sanguíneo a acumulação de cálcio está num grau excessivo e o que isso significa", completou o Presidente.

Em dezembro, no dia 12, Marcelo irá fazer 71 anos, e levanta-se a questão da sua recandidatura. Faz as contas do tempo que falta, "cerca de um ano e alguns meses", e diz que não há pressa para anunciar a decisão. Mas admite que a saúde pode condicionar. "Com este estilo, muito próximo dos problemas", preciso de boa saúde, reconhece. Como não pretende "fechar-se no palácio" e não irá "mudar de atitude", a realização de exames para verificar uma boa saúde são importantes. "Sei lá", respondeu a Daniel Oliveira sobre a recandidatura. Mas apontou que os resultados das eleições legislativas não mudam nada na sua futura decisão. "O resultado das eleições legislativas não criou nenhum fator, no meu espírito, perturbador de uma recandidatura."

O Presidente admitiu também que, em percentagem, está hoje mais próximo da recandidatura do que do inverso. Marcelo está, por estes dias, na Grécia, a participar na cimeira do Grupo de Arraiolos.

Desde que foi eleito presidente da República, Marcelo já teve de recorrer a assistência hospitalar por duas vezes. Em dezembro de 2017 foi internado de urgência no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, para uma intervenção cirúrgica a umahérnia umbilical. Teve alta três dias depois, no dia 31 de dezembro.

No ano passado, em junho, Marcelo Rebelo de Sousa sentiu-se mal durante uma visita ao Santuário do Bom Jesus, em Braga. Teve um desmaio ainda de manhã e foi levado para o Hospital de Braga, mas poucas horas depois deixou as instalações hospitalares.

Exclusivos