SOS Racismo denuncia mensagens xenófobas de deputado municipal do Porto

David Ribeiro, eleito pelo movimento cívico de Rui Moreira, rejeita ter apelado ao ódio e diz que atuação da câmara e da PSP afastou ciganos romenos acampados frente à sua casa.

A associação cívica SOS Racismo acusou esta segunda-feira um deputado municipal do Porto de difundir "mensagens de natureza discriminatória" através das redes sociais contra cidadãos romenos acampados junto à sua residência.

Deputado municipal eleito pela lista do presidente da câmara, Rui Moreira, António Santos Ribeiro - identificado como David Ribeiro na rede social Facebook - escreveu num dos textos que era necessário "encontrar rapidamente formas eficazes de proteger os cidadãos destes energúmenos".

Em causa um grupo de duas a três dezenas de cidadãos romenos que estiveram acampados a cerca de 20 metros da casa do deputado municipal e que, alegadamente, seriam responsáveis pelo acréscimo de assaltos e de lixo na zona da Boavista.

Para o SOS Racismo, "é particularmente grave que um responsável autárquico, com funções de representação do povo que o elegeu, difunda e torne públicas mensagens de natureza discriminatória, em afirmações pontuadas por preconceitos e por insultos".

"A situação agrava-se quando [...] David Ribeiro insiste na culpabilização de quem o denuncia, revelando complacência com comentários de índole racista, sexista e violenta" colocados na mesma rede sociais, prosseguiu a SOS Racismo.

António Santos Ribeiro rejeitou as acusações de racismo e xenofobia, que qualificou como "uma interpretação" de quem leu os textos.

Mas confirmou ao DN que o texto "Ciganos Romenos no Porto" foi apagado pelo Facebook, "dizendo que havia um apelo ao ódio". Face à sua discordância e protesto, os gestores da rede social "foram ver e mantiveram a decisão".

O deputado municipal, que publicou fotografias desses cidadãos romenos, adiantou que "a situação está resolvida desde quarta-feira" devido à "atuação conjunta da Câmara Municipal e da PSP que os retirou" da área fronteira à sua casa.

Esses cidadãos romenos "voltaram para a antiga estação da CP", que agora pertence à empresa Infraestruturas de Portugal, acrescentou o deputado municipal.

António Santos Ribeiro disse ao DN estar "perfeitamente à vontade" sobre o caso e que ainda "ninguém falou" com ele na Assembleia Municipal ou da câmara.

A associação cívica anunciou ainda que vai questionar a Assembleia Municipal do Porto sobre se os deputados - em especial os eleitos pelo movimento de Rui Moreira - se reveem "nas palavras e no teor da mensagem" de David Ribeiro, bem como se "há informação precisa e informada, da parte da autarquia, quanto às condições de desfavorecimento concreto" daqueles cidadãos.

Note-se que António Santos Ribeiro disse ser "declaradamente contra quem recusa qualquer tipo de ajuda social e prefere continuar a viver da mendicidade, do pequeno furto e a dormir em jardins e espaços públicos".

Questionado sobre tinha havido propostas ou medidas autárquicas que os visados tivessem recusado, o deputado municipal disse desconhecer. Contudo, precisou que estava a referir-se a "iniciativas de associações cívicas" e até a nível individual rejeitadas por aqueles cidadãos romenos.

António Santos Ribeiro adiantou ao DN "ser essencialmente regionalista", considerando-se "de esquerda" mas concordando com algumas ideias "de direita".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.