SOS Racismo denuncia mensagens xenófobas de deputado municipal do Porto

David Ribeiro, eleito pelo movimento cívico de Rui Moreira, rejeita ter apelado ao ódio e diz que atuação da câmara e da PSP afastou ciganos romenos acampados frente à sua casa.

A associação cívica SOS Racismo acusou esta segunda-feira um deputado municipal do Porto de difundir "mensagens de natureza discriminatória" através das redes sociais contra cidadãos romenos acampados junto à sua residência.

Deputado municipal eleito pela lista do presidente da câmara, Rui Moreira, António Santos Ribeiro - identificado como David Ribeiro na rede social Facebook - escreveu num dos textos que era necessário "encontrar rapidamente formas eficazes de proteger os cidadãos destes energúmenos".

Em causa um grupo de duas a três dezenas de cidadãos romenos que estiveram acampados a cerca de 20 metros da casa do deputado municipal e que, alegadamente, seriam responsáveis pelo acréscimo de assaltos e de lixo na zona da Boavista.

Para o SOS Racismo, "é particularmente grave que um responsável autárquico, com funções de representação do povo que o elegeu, difunda e torne públicas mensagens de natureza discriminatória, em afirmações pontuadas por preconceitos e por insultos".

"A situação agrava-se quando [...] David Ribeiro insiste na culpabilização de quem o denuncia, revelando complacência com comentários de índole racista, sexista e violenta" colocados na mesma rede sociais, prosseguiu a SOS Racismo.

António Santos Ribeiro rejeitou as acusações de racismo e xenofobia, que qualificou como "uma interpretação" de quem leu os textos.

Mas confirmou ao DN que o texto "Ciganos Romenos no Porto" foi apagado pelo Facebook, "dizendo que havia um apelo ao ódio". Face à sua discordância e protesto, os gestores da rede social "foram ver e mantiveram a decisão".

O deputado municipal, que publicou fotografias desses cidadãos romenos, adiantou que "a situação está resolvida desde quarta-feira" devido à "atuação conjunta da Câmara Municipal e da PSP que os retirou" da área fronteira à sua casa.

Esses cidadãos romenos "voltaram para a antiga estação da CP", que agora pertence à empresa Infraestruturas de Portugal, acrescentou o deputado municipal.

António Santos Ribeiro disse ao DN estar "perfeitamente à vontade" sobre o caso e que ainda "ninguém falou" com ele na Assembleia Municipal ou da câmara.

A associação cívica anunciou ainda que vai questionar a Assembleia Municipal do Porto sobre se os deputados - em especial os eleitos pelo movimento de Rui Moreira - se reveem "nas palavras e no teor da mensagem" de David Ribeiro, bem como se "há informação precisa e informada, da parte da autarquia, quanto às condições de desfavorecimento concreto" daqueles cidadãos.

Note-se que António Santos Ribeiro disse ser "declaradamente contra quem recusa qualquer tipo de ajuda social e prefere continuar a viver da mendicidade, do pequeno furto e a dormir em jardins e espaços públicos".

Questionado sobre tinha havido propostas ou medidas autárquicas que os visados tivessem recusado, o deputado municipal disse desconhecer. Contudo, precisou que estava a referir-se a "iniciativas de associações cívicas" e até a nível individual rejeitadas por aqueles cidadãos romenos.

António Santos Ribeiro adiantou ao DN "ser essencialmente regionalista", considerando-se "de esquerda" mas concordando com algumas ideias "de direita".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.