SOS Racismo denuncia mensagens xenófobas de deputado municipal do Porto

David Ribeiro, eleito pelo movimento cívico de Rui Moreira, rejeita ter apelado ao ódio e diz que atuação da câmara e da PSP afastou ciganos romenos acampados frente à sua casa.

A associação cívica SOS Racismo acusou esta segunda-feira um deputado municipal do Porto de difundir "mensagens de natureza discriminatória" através das redes sociais contra cidadãos romenos acampados junto à sua residência.

Deputado municipal eleito pela lista do presidente da câmara, Rui Moreira, António Santos Ribeiro - identificado como David Ribeiro na rede social Facebook - escreveu num dos textos que era necessário "encontrar rapidamente formas eficazes de proteger os cidadãos destes energúmenos".

Em causa um grupo de duas a três dezenas de cidadãos romenos que estiveram acampados a cerca de 20 metros da casa do deputado municipal e que, alegadamente, seriam responsáveis pelo acréscimo de assaltos e de lixo na zona da Boavista.

Para o SOS Racismo, "é particularmente grave que um responsável autárquico, com funções de representação do povo que o elegeu, difunda e torne públicas mensagens de natureza discriminatória, em afirmações pontuadas por preconceitos e por insultos".

"A situação agrava-se quando [...] David Ribeiro insiste na culpabilização de quem o denuncia, revelando complacência com comentários de índole racista, sexista e violenta" colocados na mesma rede sociais, prosseguiu a SOS Racismo.

António Santos Ribeiro rejeitou as acusações de racismo e xenofobia, que qualificou como "uma interpretação" de quem leu os textos.

Mas confirmou ao DN que o texto "Ciganos Romenos no Porto" foi apagado pelo Facebook, "dizendo que havia um apelo ao ódio". Face à sua discordância e protesto, os gestores da rede social "foram ver e mantiveram a decisão".

O deputado municipal, que publicou fotografias desses cidadãos romenos, adiantou que "a situação está resolvida desde quarta-feira" devido à "atuação conjunta da Câmara Municipal e da PSP que os retirou" da área fronteira à sua casa.

Esses cidadãos romenos "voltaram para a antiga estação da CP", que agora pertence à empresa Infraestruturas de Portugal, acrescentou o deputado municipal.

António Santos Ribeiro disse ao DN estar "perfeitamente à vontade" sobre o caso e que ainda "ninguém falou" com ele na Assembleia Municipal ou da câmara.

A associação cívica anunciou ainda que vai questionar a Assembleia Municipal do Porto sobre se os deputados - em especial os eleitos pelo movimento de Rui Moreira - se reveem "nas palavras e no teor da mensagem" de David Ribeiro, bem como se "há informação precisa e informada, da parte da autarquia, quanto às condições de desfavorecimento concreto" daqueles cidadãos.

Note-se que António Santos Ribeiro disse ser "declaradamente contra quem recusa qualquer tipo de ajuda social e prefere continuar a viver da mendicidade, do pequeno furto e a dormir em jardins e espaços públicos".

Questionado sobre tinha havido propostas ou medidas autárquicas que os visados tivessem recusado, o deputado municipal disse desconhecer. Contudo, precisou que estava a referir-se a "iniciativas de associações cívicas" e até a nível individual rejeitadas por aqueles cidadãos romenos.

António Santos Ribeiro adiantou ao DN "ser essencialmente regionalista", considerando-se "de esquerda" mas concordando com algumas ideias "de direita".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.