Santana Lopes já teve alta

O líder da Aliança teve alta esta quinta-feira, pelas 14:30 do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, onde esteve internado após uma aparatoso acidente na A1 no dia anterior.

Pedro Sanatana Lopes saiu esta quinta-feira do internamento hospitalar "sem lesões médico-cirúrgicas significativas", segundo o boletim clínico. Por indicação médica, o antigo primeiro-minsitro deverá ter um período de convalescença e garantir a sua plena recuperação.

"O dr. Pedro Santana Lopes ainda está com muitas dores, mas bem-disposto", tinha dito esta manhã de quinta-feira ao DN uma fonte do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.. O antigo primeiro-ministro e líder da Aliança está a fazer exames complementares para avaliar se tem condições de ter alta ainda esta quinta-feira. As suspeitas de traumatismo craniano não se confirmaram após o aparatoso acidente que sofreu na A1 com o cabeça de lista do partido às eleições europeias, Paulo Sande.

Pedro Santana Lopes, que seguia ao volante, chegou a estar encarcerado, tendo sido retirado da viatura com o auxílio dos bombeiros e transportado de helicóptero para Coimbra.

Ao DN, fonte do INEM explicou que o transporte de helicóptero é um procedimento normal nestas situações. "O CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) teve informação de que havia um acidente grave com capotamento e duas vítimas encarceradas, tendo acionado de imediato um helicóptero, uma viatura médica e duas ambulâncias", adiantou.

Depois de a equipa médica avaliar as vítimas, "o CODU tomou a decisão médica de manter o helicóptero" que transportou Santana Lopes, com "suspeita de traumatismo torácico", cuja gravidade só poderia ser "avaliada em ambiente hospitalar", pois o INEM no local não dispõe de meios complementares de diagnóstico.

Já Paulo Sande, que saiu da viatura pelo próprio pé, foi transportado de ambulância para o CHUC, "com suspeita de traumatismo craniano". Em declarações aos jornalistas, admitiu entretanto que devia ter permanecido no veículo até chegarem os meios de socorro: "Saí pelo meu próprio pé mas não devia ter saído. Já levei um raspanete dos médicos por causa disso."

Ao fim da noite, após ter recebido alta hospitalar, o cabeça-de-lista do Aliança às europeias afirmou aos jornalistas que os exames médicos realizados não revelaram qualquer problema, nem a si próprio nem ao ex-primeiro-ministro.

Santana Lopes permanecia ainda no hospital, pois estava "mais dorido", nas palavras de Paulo Sande. Mas estava bem de saúde, garantiu: "No final disto tudo não passou de um grande susto", afirmou.

"O acidente foi de grande aparato", reconheceu Paulo Sande. "É uma experiência que não desejo a ninguém."

A intervenção médica, completou, foi realizada "por precaução". "Imobilizaram-nos, depois trouxeram-nos [para o hospital] e chegaram à conclusão de que está tudo bem", afirmou.

O acidente ocorreu na autoestrada 1 (A1) ao quilómetro 136, na zona de Colmeias, entre Soure e Pombal, quando os dois seguiam de Coimbra para Lisboa, com o antigo primeiro-ministro a conduzir a viatura. Para o helicóptero aterrar e levantar, a via esteve cortada entre as 18.30 e as 19.27.

Relativamente ao desastre, Paulo Sande pouco se recorda: "Lembro-me do momento em que começámos a dar cambalhotas, de estar a ver a estrada e de deixar de a ver." Garante no entanto que "o automóvel ia devagar". "Não íamos a muito mais de 120 km/h, senão teria sido pior", assegurou.

Com Joana Capucho e Ricardo Simões Ferreira

Ler mais

Exclusivos