Rui Rio contra "partidarização" na escolha da PGR

Convidado do programa Bloco Central da TSF, Rui Rio diz que não fala da escolha para a Procuradoria-Geral da República antes de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa se pronunciarem

Com o mandato de Joana Marques Vidal a chegar ao fim, o líder do PSD recusa pronunciar-se publicamente sobre o nome do próximo Procurador-Geral da República (PGR) e diz que só o fará quando António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa colocarem o problema em cima da mesa.

Declarações feitas no programa Bloco Central. Aos microfones da TSF, Rui Rio garante que não fará o que tem visto ser feito até aqui - "partidarizar uma nomeação que deve ser tudo menos partidarizada".

"Quem é responsável por colocar o tema em cima da mesa é o primeiro-ministro e o Presidente da República. Enquanto eles não colocarem o problema em cima da mesa, eu não coloco. E muito menos faço uma coisa que tenho visto ser feita, que é partidarizar uma nomeação que deve ser tudo menos partidarizada. Não quero nenhum procurador ou procuradora - não intressa - mais afeto ao PSD, ou ao PS, ao CDS, ao PCP, ou seja o que for. É logo errado, isso. A partidarização deste caso... acho errado", diz o líder social-democrata, acrescentando que "isto tem de ser feito com elevação e sentido de Estado".

As declarações de Rui Rio surgem no mesmo dia em que o secretário-geral do partido, José Silvano, e o eurodeputado Paulo Rangel defenderam - a título pessoal - a recondução no cargo de Joana Marques Vidal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.