José Silvano (PSD) defende recondução de Joana Marques Vidal

O secretário-geral do PSD, José Silvano, defendeu hoje, a título pessoal, que a atual procuradora-geral da República (PGR) deve ser reconduzida, mas considerou que, neste momento, o partido não tem de se pronunciar sobre esta questão.

"Não vejo nenhum motivo para que ela não seja reconduzida, mas é uma posição pessoal. O PSD não se pronunciou ainda sobre isso, o líder tem dito e bem que o partido não tem de se pronunciar antes de a questão ser posta na mesa", afirmou José Silvano, em declarações aos jornalistas, depois de ter almoçado com os alunos da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide (Portalegre).

Silvano sublinhou que o processo envolve uma negociação entre o Governo, que "tem de indicar" o nome, e o Presidente da República, "que tem de concordar".

"Como o líder diz, e bem, institucionalmente o partido não tem nada a ver com isso neste momento. Tem o Governo e tem o Presidente da República, quando chegar a vez do partido, logo se verá se é preciso ter ou não posição", afirmou, remetendo para Rui Rio a definição do 'timing' em que o PSD se pronunciará sobre esta matéria.

No entanto, na sua análise pessoal, José Silvano considerou que a atual PGR, Joana Marques Vidal, fez "um trabalho meritório, quase consensualizado por toda a opinião pública".

"Quem faz um bom trabalho deve ser reconduzido, mas isso é um principio", defendeu.

José Silvano é a segunda figura destacada do PSD a defender hoje a recondução de Joana Marques Vidal, cujo mandato termina em outubro, depois de o eurodeputado Paulo Rangel ter afirmado que seria "incompreensível" que o Governo não o fizesse, também numa posição pessoal.

Questionado sobre sondagens recentes, que dão o PSD em queda, José Silvano garantiu que o partido vai manter o seu "desígnio" e a sua estratégia, reiterando que o espaço de conquista de votos será "o centro-esquerda e, principalmente, os abstencionistas".

"Se esses abstencionistas forem votar, vão votar de certeza num político diferente e não vão votar na mesma política profissional. Nós estamos à espera que esse político diferente que tenha as características do dr. Rui Rio se afirme e leve votos nessa área política, que é a abstenção e o centro-esquerda", apontou.

Em relação a uma eventual aproximação ao CDS-PP, o secretário-geral social-democrata frisou que, neste momento, "o PSD tem de se afirmar sozinho" e cada partido deve construir a sua estratégia política.

"O próprio CDS tem dito que tem alternativas próprias ao PSD", acrescentou.

Questionado se os sociais-democratas poderão alterar a sua estratégia face às sondagens, José Silvano respondeu negativamente.

"Temos a convicção de que com esta estratégia vamos ganhar as eleições, o PSD não vai fazer nenhuma inflexão na estratégia. Vai de ter a explicar, vai ter de chegar o tempo de as pessoas a entenderem e vai ter de chegar o tempo de refletirem, quer na opinião quer no voto", disse.

Apesar dos cortes financeiros em algumas atividades internas, incluindo a Universidade de Verão, José Silvano garantiu que, mesmo com "uma secretaria-geral forreta", a atual direção do PSD nunca deixará de apoiar esta iniciativa.

"A Universidade de Verão é uma prioridade, será sempre apoiada, quer pelos efeitos que tem na formação de quadros no partido quer pela marca que já criou", afirmou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.