Revista brasileira anuncia José Sócrates como novo colunista

"A utilização da justiça com objetivos políticos parece ter-se transformado na nova arma de assassinato político", diz o ex-primeiro-ministro à Carta Capital, uma revista semanal brasileira próxima do PT.

Chama-se CartaCapital, é uma revista semanal brasileira assumidamente de esquerda e anunciou recentemente quatro novos colunistas: três nomes desconhecidos dos portugueses e um quarto bastante familiar - José Sócrates.

"Ex-primeiro-ministro de Portugal e ex-secretário-geral do Partido Socialista local escreverá quinzenalmente", anuncia a publicação, descrevendo Sócrates como um "atento analista da geopolítica global" que "acompanha com interesse os assuntos brasileiros e não pretende fugir do desafio de tecer comentários a respeito do país". A escolha dos quatro nomes é justificada com o "critério que sempre marcou a publicação: a busca de analistas reconhecidos por sua competência e pela clareza na exposição de argumentos".

O anúncio é acompanhado por uma entrevista ao ex-primeiro-ministro em que, além do Brasil, Sócrates fala também de Portugal. Pergunta a CartaCapital: "O senhor é vítima de um processo judicial que, em muitos aspetos, lembra a perseguição ao ex-presidente Lula no Brasil. Há quem enxergue essa judicialização da política, recorrente em vários países, como uma estratégia geopolítica. O senhor concorda?"

Na resposta, José Sócrates diz-se alvo de "uma grave, injusta e falsa acusação que está neste momento em fase de instrução, momento em que um juiz decidirá se a aceita para seguir a julgamento​.​​​​​" "Não encontro outra explicação para ela a não ser a motivação política", diz o ex-primeiro-ministro, acrescentando que o "chamado fenómeno de lawfare, a utilização da justiça com objetivos políticos, parece ter-se transformado na nova arma de assassinato político, o novo punhal de Brutus da política moderna".

José Sócrates é um dos 28 arguidos da Operação Marquês, no âmbito da qual está acusado da prática de 31 crimes, três de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.

Na entrevista, Sócrates defende que, de certa forma, o referido fenómeno de judicialização da política é "consequência de um novo tempo de reforço do autoritarismo estatal e de declínio na garantia dos direitos individuais que se vive em muitos países". "Não tenho elementos para dizer se ele está, de certa forma, a ser usado por motivos geopolíticos, isto é, com base no interesse de nações estrangeiras. Mas vejo com estupefação as evidências apresentadas da ligação da chamada Operação Lava-Jato, no Brasil, com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Tendo presente o histórico de operações encobertas nas quais os serviços secretos americanos estiveram envolvidos durante a Guerra Fria, em particular na América Latina, todos ganharíamos se os Estados Unidos, o mais rapidamente possível, esclarecessem as dúvidas levantadas."

Na mesma entrevista, Sócrates fala da vida política portuguesa para classificar como "bons" os resultados do acordo estabelecido em 2015 entre o PS e os partidos à sua esquerda, considerando que "houve um evidente progresso democrático de inclusão". "Não me parece que haja volta atrás. Os resultados são bons e a reação do eleitorado não deixará de ter esses resultados em conta. A experiência deu resultado exatamente porque se respeitaram os limites para o seu funcionamento. Os partidos não são iguais, nem pretendem ser iguais. Eles conseguiram, democraticamente, identificar os pontos de convergência e em torno deles construir um programa", defende o ex-primeiro-ministro.

O apoio a Lula e a Dilma e o caso Odebrecht

A CartaCapital é uma revista semanal brasileira com uma linha editorial assumidamente de esquerda e com uma postura crítica relativamente aos grandes media brasileiros. Em 2010, a publicação apoiou expressamente a candidatura de Dilma Rousseff. Escrevia então, em editorial: "Reconhecemos em Dilma Rousseff a candidatura mais qualificada e entendemos como injunção deste momento, em que oficialmente o confronto se abre, a clara definição da nossa preferência. Nada inventamos: é da praxe da mídia mais desenvolvida do mundo tomar partido na ocasião certa, sem implicar postura ideológica ou partidária." O apoio a Lula da Silva também era claro: "Em Dilma Rousseff enxergamos sem a necessidade de binóculo a continuidade de um governo vitorioso e do governante mais popular da história do Brasil. Com largos méritos, que em parte transcendem a nítida e decisiva identificação entre o presidente e seu povo."

Um apoio ao PT renovado na recandidatura de 2014. "Porque escolhemos Dilma Rousseff", titulava o editorial, escrevendo então: "Começa oficialmente a campanha eleitoral e CartaCapital define desde já a sua preferência em relação às candidaturas à Presidência da República: escolhemos a presidenta Dilma Roussef para a reeleição."

A CartaCapital foi também envolvida no caso Lava-Jato quando, em 2017, vários meios de comunicação social brasileiros noticiaram que a construtora Odebrecht financiou publicações próximas do PT e que teria entregado à revista três milhões e meio de reais, a pedido do ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, e depois do próprio Lula da Silva - uma afirmação feita pelo ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, e pelo seu pai, Emílio Odebrecht.

Na sequência dessas notícias, a CartaCapital veio desmentir qualquer favorecimento, afirmando que aquela verba foi paga a título de adiantamento de verbas de publicidade, "uma operação normal no mercado".

"Não houve interferência de ninguém a nosso favor. O adiantamento foi pago da forma tradicional: por meio de anúncios e patrocínios de eventos", acrescentava a revista, atribuindo as acusações a motivações políticas: "Desconfiamos que o novo vazamento dessa citação distorcida a CartaCapital esteja relacionado ao facto de não termos abdicado do dever jornalístico de apontar os erros e abusos da Operação Lava-Jato, além da nossa conhecida postura crítica em relação aos meios de comunicação, em grande medida responsáveis, no nosso entender, pelo clima de caça às bruxas reinante no Brasil.​​​​​​"

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.