PS com o dobro das intenções de voto do PSD a menos de três meses das eleições

Partido liderado por António Costa está a subir nas indicações de voto, segundo sondagem publicada pelo JN e TSF.

O Partido Socialista está a ganhar votos no centro político nacional. Esta é uma das conclusões da sondagem que o JN e a TSF publicaram na manhã desta segunda-feira e que mostra que se as eleições legislativas fossem hoje o PS chegaria aos 43,2% das intenções de voto, exatamente o dobro do PSD - 21,6%.

A sondagem efetuada pela Pitagórica indica ainda que o Bloco de Esquerda continuaria a ser a terceira força política com 9,2% dos votos, seguindo-se a CDU (6,8%), CDS-PP (6%), PAN (3,6%) e a Aliança (1,2%). Este estudo aponta para 23,5% de indecisos e para 7,6% de brancos, nulos e outros.

Face à última estimativa, o PS ganharia agora mais votos (40,4% em maio), tal como o BE (8,2% em maio) e a CDU (6,5% em maio). O PSD, o CDS e a Aliança perderiam nas intenções, (22,5%, 6,1% em maio e 1,5%, respetivamente). O PAN obteria a mesma percentagem, 3,6%.

Neste estudo de opinião, Pedro Santana Lopes (líder do Aliança), Jerónimo de Sousa (CDU) e Assunção Cristas (CDS-PP) surgem como os responsáveis políticos com pior prestação para os inquiridos.

Outro dos destaques da sondagem é o facto de os dados indicarem a possibilidade de o PAN (Pessoas-Animais-Natureza) poder eleger deputados em Lisboa e Porto nas eleições legislativas marcadas para 6 de outubro. É que os 3,6% de votos previstos no estudo deverão ser conseguidos nas duas principais cidades do país.

A sondagem da Pitagórica, com o objetivo de avaliar a intenção de voto nas eleições legislativas, foi realizada entre 8 e 14 de julho, através de 800 entrevistas telefónicas e apresenta uma margem de erro de +4/-3,5% para um nível de confiança de 95,5%.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.