Plano de segurança dos quartéis "está 97% concluído"

Chefe do Exército lembra no entanto que "ninguém pode garantir" que se evitará novo furto de material de guerra como o ocorrido nos paióis de Tancos

O plano de reforço da segurança das unidades do Exército está praticamente concluído em todo o país, mas o chefe do ramo admitiu esta sexta-feira que podem existir novos furtos como o ocorrido em 2017 nos paióis de Tancos.

"Ninguém pode garantir absolutamente nada, seria um bocado insensato", afirmou o general Rovisco Duarte, em declarações registadas pela Sic Notícias em Santa Margarida.

O chefe do Estado-Maior do Exército garantiu, contudo, estarem criadas "as condições para que não volte a acontecer" algo de semelhante ao ocorrido em junho de 2017, quando ocorreu o furto de variado material de guerra nos paióis de Tancos.

O "plano ambicioso" de reforço dos sistemas de segurança de "todos os quartéis, unidades, estabelecimentos e órgãos do Exército [...] está 97% concluído", adiantou ainda o CEME.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.