Plano de segurança dos quartéis "está 97% concluído"

Chefe do Exército lembra no entanto que "ninguém pode garantir" que se evitará novo furto de material de guerra como o ocorrido nos paióis de Tancos

O plano de reforço da segurança das unidades do Exército está praticamente concluído em todo o país, mas o chefe do ramo admitiu esta sexta-feira que podem existir novos furtos como o ocorrido em 2017 nos paióis de Tancos.

"Ninguém pode garantir absolutamente nada, seria um bocado insensato", afirmou o general Rovisco Duarte, em declarações registadas pela Sic Notícias em Santa Margarida.

O chefe do Estado-Maior do Exército garantiu, contudo, estarem criadas "as condições para que não volte a acontecer" algo de semelhante ao ocorrido em junho de 2017, quando ocorreu o furto de variado material de guerra nos paióis de Tancos.

O "plano ambicioso" de reforço dos sistemas de segurança de "todos os quartéis, unidades, estabelecimentos e órgãos do Exército [...] está 97% concluído", adiantou ainda o CEME.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.