Petição internacional contra Marine Le Pen na Web Summit

A participação da dirigente da extrema-direita francesa no grande evento tecnológico que se realiza em Lisboa tem gerado grande polémica. E agora já corre um abaixo-assinado contra a sua presença.

"A Web Summit é uma plataforma para criar um futuro melhor: não a Marine Le Pen como oradora" é o título do abaixo-assinado internacional contra a presença da líder do partido francês Reunião Nacional (antiga Frente Nacional) disponível na plataforma Change.org.

O texto da petição sublinha que ao permitir que Le Pen participe no evento, a Web Summit "está a validar as suas opiniões extremistas", como a promoção da xenofobia e o encerramento de fronteiras comunitárias.

"A equipa da Web Summit trouxe para o palco Marine Le Pen, como oradora. Marine Le Pen é uma política francesa cujos pontos de vista estão associados à extrema-direita, promovendo a xenofobia, o encerramento das fronteiras da União Europeia e outras visões extremas que não estão alinhadas com os valores da Web Summit", refere o texto que tem como primeira subscritora Ahlem Mahroua - que se identifica como mulher, empreendedora e francesa.

A blogger Ahlem Mahroua é filha de pais argelinos e antiga sales manager da Google, tendo deixado a empresa para fundar a Digital Nomads Media.

O texto refere ainda que a Web Summit é um evento tecnológico que reúne líderes, criadores de mudança e empreendedores e pretende "fomentar a colaboração e criar um futuro melhor, graças ao uso da tecnologia", não sendo conhecida qualquer realização nesse sentido à dirigente política francesa. "Não acredito que ela tenha alguma realização notável no campo da tecnologia, nem demonstrou liderança em mudar o mundo", escreve Ahlem Mahroua.

A participação de Marine Le Pen na conferência de Lisboa - que se realiza realiza entre 5 e 8 de novembro - tem gerado alguma confusão depois de a organização da Web Summit ter tirado no sábado o seu nome da lista de oradores convidados e de na segunda-feira ter voltado a integrá-lo, tal como o DN noticiou. Os responsáveis pela conferência não ainda não deram qualquer explicação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.