Santana Lopes eleito académico honorário da Academia Portuguesa da História

Ex-provedor da Santa Casa foi hoje eleito académico honorário. Instituição apoiou a publicação da Obra Completa do Padre António Vieira

O ex-provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Pedro Santana Lopes foi hoje eleito académico honorário da Academia Portuguesa da História (APH), informou a sua presidente, Manuela Mendonça.

Pedro Santana Lopes, de 62 anos, advogado, exerceu vários cargos públicos, tendo sido primeiro-ministro do XVI Governo Constitucional (2004/2005).

Como provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, cargo que exerceu de 2011 até ao ano passado, entre outras iniciativas, a instituição apoiou a publicação da Obra Completa do Padre António Vieira (2013-2014), com um montante de 500.000 euros, como revelou à agência Lusa a editora Guilhermina Gomes, em dezembro de 2014.

Além de Santana Lopes foram também eleitos académicos honorários o embaixador José Bouza Serrano, autor de O Livro do Protocolo (2011) e que exerceu entre outras funções as de chefe do Protocolo de Estado, e José Augusto de Alarcão Troni, presidente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Como académicos de mérito foram eleitos Vasco Mantas, do Departamento de História e Arqueologia da Universidade de Coimbra, autor entre outros títulos, de Arqueologia e ideologia. Reflexões sobre um tema incómodo, e Manuel Ferreira Patrício, ex-reitor da Universidade de Évora, que tem desenvolvido investigação sobre o filósofo Leonardo Coimbra, e é autor de variada obra sobre Pedagogia e Ciências da Educação, tendo sido um dos fundadores da Associação da Educação Pluridimensional e da Escola Cultural, da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação e da Associação Portuguesa de Professores.

A APH, atualmente presidida pela historiadora Manuela Mendonça, conta com 455 académicos, segundo dados revelados do ano passado, e é apontada como a mais antiga academia nacional, fundada a 8 de dezembro de 1720, pelo rei D. João V, e restaurada por decreto-lei de maio de 1936.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.