Pedro Nuno Santos será ministro para a Habitação

Além das Infraestruturas, com a promoção a ministro Pedro Nuno Santos deverá ganhar o pelouro da Habitação. Passagem de Nelson de Souza - secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão - a ministro é possibilidade.

É visto como secretário de Estado com peso de ministro, mas esse estatuto vai mudar no sábado. Na sequência da convenção socialista, Pedro Nuno Santos, secretário de estado dos Assuntos Parlamentares, será promovido a ministro e verá os seus poderes reforçados com a saída de Pedro Marques, ministro que deverá encabeçar as listas do PS às eleições europeias. Além das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos deverá ganhar o pelouro da habitação. E embora o cenário ainda não esteja completamente fechado, ao que o DN apurou, Nelson de Souza deverá concentrar a pasta dos fundos europeus, estando em aberto a promoção a ministro ou a permanência como secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão - passará em qualquer dos casos a responder diretamente ao primeiro-ministro.

Foi em outubro do ano passado a última remodelação no Governo de António Costa. Nessa altura, no rescaldo da polémica de Tancos e da consequente demissão do ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, a remodelação foi profunda. Para a Defesa foi chamado João Cravinho, Graça Fonseca entrou para tutelar a Cultura, para a Saúde António Costa chamou Marta Temido e Siza Vieira foi ocupar a pasta da Economia. Por arrasto entraram dez novos secretários de Estado - entre eles, duas novas pastas: Valorização do Interior e Defesa do Consumidor - sendo que cinco foram reconduzidos. Entre esses, estava Ana Pinho, secretária de Estado da Habitação, área tutelada pelo ministério do Ambiente, de Pedro Matos Fernandes, e que agora deverá passar para o gabinete de Pedro Nuno Santos.

Personagem central na manutenção e gestão da Geringonça e figura de proa entre a ala mais à esquerda do PS, Pedro Nuno Santos, de 41 anos, há muito que faz parte do círculo mas restrito de António Costa. E desde o último congresso socialista, onde nasceu a expressão "pedronunismo", que o seu peso interno no partido se tornou indisfarçável, algo que agora ficará oficializado ou não estivesse a dias de se tornar no primeiro dos mais novos governantes a chegar a ministro. Tal como o Expresso noticiara na passada quinta-feira, a pasta de Pedro Marques passará em parte para Pedro Nuno Santos. Mas além da questão do aeroporto, tema que previsivelmente marcará a agenda política nos próximos anos, o até agora responsável pelos assuntos parlamentares deverá herdar as questões relativas à habitação, outro dos temas vistos como centrais para o país por António Costa que já lhe dedicara uma secretaria de Estado.

Fundos Europeus sem ministro?

Não sendo de esperar uma remodelação tão profunda como a de outubro passado, nem só Pedro Nuno Santos verá o seu estatuto revisto. Maria Manuel Leitão Marques e Nelson de Souza também terão de atualizar currículos e lista de prioridades. Se à ministra da Presidência e da Modernização Administrativa estará reservado um lugar de destaque nas listas socialistas às europeias, até para precaver a ambição de ter Pedro Marques como próximo Comissário Europeu - Souza ganhará, no mínimo, autonomia. Com muitos a darem como certo a sua promoção a ministro do Planeamento, certo parece ser que o atual secretário de Estado passe a concentrar a gestão dos fundos comunitários.

No passado domingo Marques Mendes antevia que fosse Mariana Vieira da Silva, atual secretária de Estado Adjunta do primeiro-ministro, a herdar a pasta dos Assuntos Parlamentares e que a nova remodelação seja oficializada logo nos dias seguintes à convenção socialista deste sábado.

Ler mais

Exclusivos