Paulo Rangel defende demissão do chefe do Exército

Eurodeputado do PSD qualifica como "leviano e sobranceiro, verdadeiramente chocante" António Costa referir-se ao furto aos paióis de Tancos como "caso de polícia"

"O Governo tem de atuar e tem de provocar" a demissão do chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), defendeu o eurodeputado Paulo Rangel num artigo de opinião no jornal Público desta terça-feira.

"O modo leviano e sobranceiro, verdadeiramente chocante, como o primeiro-ministro" qualificou o furto como "caso de polícia" na recente entrevista ao semanário Expresso, nas palavras do antigo ministro da Justiça, leva-o a argumentar que "já só sobra a esperança de que o Presidente da República - que aqui tem sido tão pertinaz - seja capaz de repor a credibilidade do Estado".

Paulo Rangel frisou que "a responsabilidade imediata" pelo ocorrido "repousa naturalmente" no CEME, "que incompreensivelmente se mantém em funções".

O furto nos paiós de Tancos ocorreu em junho de 2017. A PJ Militar tratou o caso como "um crime estritamente militar" mas a PJ disse suspeitar da prática de crimes relacionados com terrorismo para assumir a investigação, posição que o Ministério Público validou.

Para Paulo Rangel, o facto de António Costa remeter o caso para a Procuradoria-Geral da República - responsável pela investigação criminal - tem uma explicação: "Claramente quer visar, para outros propósitos, a titular do cargo", Joana Marques Vidal (que está a terminar o seu mandato).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.