"Não sei o que estou aqui a fazer", declara chefe do Exército

General Rovisco Duarte diz ao Parlamento não ter revelado nada de novo face ao que já tinha contado à porta fechada

O chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) declarou desconhecer as razões da sua audição parlamentar desta terça-feira perante a Comissão parlamentar de Defesa.

"Não sei o que estou aqui a fazer", exclamou o general Rovisco Duarte, dado que não acrescentou nada de novo face ao que tinha dito na audição à porta fechada, em novembro passado, sobre o furto de material de guerra em Tancos ocorrido em junho de 2017 e recuperado em outubro do mesmo ano.

O CEME respondia aos deputados e depois de Ascenso Simões lhe ter pedido desculpa em nome do PS por o CDS ter divulgado posições assumidas pelo general na referida audição à porta fechada.

Note-se que o centrista João Rebelo justificou essa opção por não referir os aspetos que justificaram o pedido do CEME para ser ouvido à porta fechada.

Esta situação acabou por aquecer brevemente os ânimos, com Ascenso Simões a frisar que as respostas às questões formuladas pelos deputados do PSD e do CDS tinham sido dadas pessoalmente ou constavam dos documentos classificados já entregues pelo Exército ao Parlamento.

O deputado socialista lembrou que as responsáveis pela segurança interna e pelos serviços de informações já tinham dito esta manhã não haver quaisquer ameaças à segurança do país, ao contrário do que invocou o Ministério Público num recurso enviado em março ao tribunal para conseguir fazer escutas chumbadas pelo juiz de instrução criminal.

Ascenso Simões perguntou ainda se haveria algo de novo "que justifique uma comissão de inquérito" - como têm admitido o PSD e o CDS - num caso que o Parlamento está "a discutir há um ano"?

A verdade é que Bruno Vitorino (PSD) admitiu requerer a audição do primeiro-ministro em setembro para se perceber porque é que os governantes e o próprio CEME disseram em outubro que o material furtado em Tancos tinha sido todo recuperado quando, hoje, o general dizia não poder dar garantias sobre isso.

As quase duas horas desta terceira audição do CEME sobre o caso de Tancos terminaram com o pedido de palavra do deputado Pedro Roque (PSD), no meio da acalorada troca de palavras, para "desejar boas férias" a todos os presentes.

Seguiram-se risos, cadeiras arrastadas, sorrisos e abraços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.