Montenegro acusa Rio de "medo" e de "falta de coragem"

No final de uma audiência com o Presidente da República, Luís Montenegro acusou Rui Rio de, ao recusar diretas, ter revelado "falta de coragem" e "medo de ouvir a voz dos militantes"

O PSD "ainda vai a tempo de inverter" a sua situação, há condições para se realizarem eleições diretas já e é isso aliás que os militantes "preferem", disse hoje o ex-líder parlamentar 'laranja' depois de uma audiência de cerca de 45 minutos, em Belém, com o Presidente da República, a seu pedido.

Luís Montenegro respondeu assim à recusa de Rui Rio em fazer o partido avançar para um processo eleitoral interno geral de disputa da liderança. Ao desafio de Montenegro, Rio contrapôs a realização de uma reunião do Conselho Nacional (CN) do PSD - já convocada para quinta-feira - na qual levará a votos uma moção de confiança à direção do partido.

Para Montenegro, só eleições diretas, para as quais seriam convocados todos os militantes, teriam um "efeito pleno" de clarificação da situação dentro do partido.

"O Conselho Nacional não é a minha praia", "nunca tiveram nos meus propósitos moções de censura ou de confiança", acrescentou.

Para o ex-líder da bancada do PSD, a decisão de se candidatar e de desafiar Rio para 'diretas já', tem "dois enquadramentos": por um lado, passou um ano desde que Rio chegou à liderança do PSD e "o resultado é mau"; por outro, "o PSD ainda está a tempo de inverter a decisão".

Montenegro considerou ainda "um absurdo" que a sua decisão de avançar seja interpretada como um sinal de preocupação face ao processo de elaboração das listas de candidatos a deputados que o partido apresentará para as eleições legislativas de outubro próximo.

"Não estou preocupado com listas, nunca estive", disse, recordando que há um renunciou ao mandato de deputado. Segundo Montenegro, na verdade quem está preocupado com a questão das listas são muitos dos apoiantes de Rio.

O candidato recusou fazer previsões sobre o que acontecerá no CN - "não sei o que acontecerá" - mas assegurou que ele próprio continuará "obviamente" candidato a presidente do partido se aquele órgão se encaminhar para a convocação de diretas, na sequência de um eventual chumbo da moção de confiança que Rio levará a votos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.