Ministério Público dá sem efeito interrogatório a Manuel Pinho

O advogado do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, afirmou que o Ministério Público "deu sem efeito" a diligência marcada para hoje, no âmbito do caso EDP.

"Entendo que devo a cortesia ao Ministério Público" de deixar que seja esta instituição a explicar a razão de a diligência de hoje ter sido dada sem efeito, afirmou o advogado aos jornalistas, à saída do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), adiantando que "ocorreram questões processuais" que justificaram que a diligência tenha ficado sem efeito.

"A diligência foi dada sem efeito porque ocorreram questões processuais. Mas quem deu sem efeito a diligência foi o Ministério Público", precisou o advogado, recordando que, em maio passado, o juiz de instrução criminal Ivo Rosa considerou "sem efeito" a constituição como arguido do ex-ministro da Economia, devido a irregularidades, mas que o Ministério Público recorreu desse despacho.

Ricardo Sá Fernandes, adiantando não ter sido hoje marcada nenhuma nova diligência para Manuel Pinho, explicou terem sido apenas razões "processuais absolutamente corretas" que levaram a diligência a ficar sem efeito, comentando apenas que o Ministério Público "nem tinha outra solução" que não fosse a de ter dado sem efeito a diligência marcada para hoje.

O advogado acrescentou: "As razões porque eu entendi que esta diligência não devia ter lugar eram porque [Manuel Pinho] foi convocado como arguido, o que consubstanciava um desrespeito por a uma decisão judicial", para logo adiantar que "o Ministério Público tem o direito de discordar da decisão do juiz [Ivo Rosa], mas não a pode é desrespeitar (...) porque vivemos num Estado de Direito".

Ricardo Sá Fernandes explicou também que Manuel Pinho "não é neste momento arguido neste processo", que não ser arguido "é um dado inquestionável" e que Manuel Pinho não se recusou hoje a prestar declarações, mas apenas não o fez por a diligência ter sido dada sem efeito.

O advogado explicou aos jornalistas ter discordado da marcação para hoje da diligência que levou Manuel Pinho ao DCIAP, porque foi marcada para o mesmo dia em que o ex governante vai ao parlamento, cerca das 15:00, para prestar esclarecimentos aos deputados acerca de decisões políticas que tomou na área da energia.

"Pedimos o reagendamento desta diligência [do Ministério Público] para outro dia, uma vez que nos parecia inconveniente", disse, defendendo que no combate processual as instituições "têm de ser respeitadas, mesmo que se discorde" da decisão dessas instituições, e que essa foi a razão porque se deslocou hoje com Manuel Pinho ao DCIAP.

Ricardo Sá Fernandes disse ainda que poderia explicar "com mais detalhe" aos jornalistas a razão de ter ficado hoje sem efeito a diligência, mas que decidiu não o fazer porque as instituições e as suas decisões têm de ser respeitadas.

"Acho que deve ser o Ministério Público, que marcou e desmarcou [a diligência], que deve prestar esse esclarecimento", afirmou, precisando que, depois desse esclarecimento, se achar necessário, não deixará de "fazer os comentários e esclarecimentos que julgue pertinentes".

"Fomos notificados da desmarcação da diligência, primeiro verbalmente", disse explicando ter sido essa a razão porque Manuel Pinho saiu do DCIAP antes do seu advogado.

"Saiu antes porque não era necessário que lá permanecesse", afirmou Sá Fernandes, explicando ainda ter ficado no DCIAP mais tempo do que Manuel Pinho à espera de ser notificado desse despacho formalizou que a diligência ficasse sem efeito.

Manuel Pinho chegou hoje às 10:32, meia hora depois do previsto, ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em Lisboa, para ser interrogado, acompanhado pelo seu advogado, tendo deixado as instalações pelas 11:16, sozinho, e remetendo explicações para Ricardo Sá Fernandes.

Hoje, às 15:00, está agendada uma audição parlamentar com Manuel Pinho, na sequência de um requerimento do PSD, votado favoravelmente em 2 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.