Marcelo participa este mês na Jornada Mundial da Juventude com o Papa Francisco

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira a viagem do Chefe de Estado, entre os dias 24 e 28 de janeiro, ao Panamá

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai participar no final deste mês na 34.ª Jornada Mundial da Juventude, um encontro de jovens católicos, com o Papa Francisco, no Panamá.

A autorização para a deslocação do chefe de Estado ao Panamá, entre 24 e 28 de janeiro, a fim de participar neste evento católico foi aprovada por unanimidade, esta sexta-feira, pela Assembleia da República.

O projeto de resolução aprovado refere que Marcelo Rebelo de Sousa irá deslocar-se ao Panamá a convite do seu homólogo panamiano, Juan Carlos Varela, fazendo escalas em Espanha.

A Jornada Mundial da Juventude é um evento instituído pelo Papa João Paulo II, que se realizou pela primeira vez em 1986, em Roma, e que se repete a cada dois ou três anos, numa cidade diferente do mundo.

No início de dezembro, o Presidente da República comentou a possibilidade de a Jornada Mundial da Juventude de 2022 se realizar em Portugal, considerando que "seria uma magnífica notícia", mas ressalvou que era necessário aguardar pela palavra do bispo de Roma. "A palavra é do Papa Francisco e ele não a dará antes do Panamá, antes das Jornadas de janeiro, vamos esperar", declarou o chefe de Estado aos jornalistas.

O Papa Francisco esteve em Portugal em visita apostólica entre 12 e 13 de maio de 2017, por ocasião do centenário de Fátima. Essa visita constituiu um momento especial para Marcelo Rebelo de Sousa, que se juntou à celebração religiosa como Presidente da República e "como peregrino" católico, conforme disse na altura.

O assentimento da Assembleia da República às deslocações do chefe de Estado é uma formalidade imposta pela Constituição, que estabelece que o Presidente da República não pode ausentar-se do território nacional sem autorização do Parlamento.

Frequentemente, as datas das deslocações oficiais que são aprovadas pelos deputados incluem, por segurança, um ou dois dias a mais do que o período efetivo da visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.