Marcelo participa este mês na Jornada Mundial da Juventude com o Papa Francisco

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira a viagem do Chefe de Estado, entre os dias 24 e 28 de janeiro, ao Panamá

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai participar no final deste mês na 34.ª Jornada Mundial da Juventude, um encontro de jovens católicos, com o Papa Francisco, no Panamá.

A autorização para a deslocação do chefe de Estado ao Panamá, entre 24 e 28 de janeiro, a fim de participar neste evento católico foi aprovada por unanimidade, esta sexta-feira, pela Assembleia da República.

O projeto de resolução aprovado refere que Marcelo Rebelo de Sousa irá deslocar-se ao Panamá a convite do seu homólogo panamiano, Juan Carlos Varela, fazendo escalas em Espanha.

A Jornada Mundial da Juventude é um evento instituído pelo Papa João Paulo II, que se realizou pela primeira vez em 1986, em Roma, e que se repete a cada dois ou três anos, numa cidade diferente do mundo.

No início de dezembro, o Presidente da República comentou a possibilidade de a Jornada Mundial da Juventude de 2022 se realizar em Portugal, considerando que "seria uma magnífica notícia", mas ressalvou que era necessário aguardar pela palavra do bispo de Roma. "A palavra é do Papa Francisco e ele não a dará antes do Panamá, antes das Jornadas de janeiro, vamos esperar", declarou o chefe de Estado aos jornalistas.

O Papa Francisco esteve em Portugal em visita apostólica entre 12 e 13 de maio de 2017, por ocasião do centenário de Fátima. Essa visita constituiu um momento especial para Marcelo Rebelo de Sousa, que se juntou à celebração religiosa como Presidente da República e "como peregrino" católico, conforme disse na altura.

O assentimento da Assembleia da República às deslocações do chefe de Estado é uma formalidade imposta pela Constituição, que estabelece que o Presidente da República não pode ausentar-se do território nacional sem autorização do Parlamento.

Frequentemente, as datas das deslocações oficiais que são aprovadas pelos deputados incluem, por segurança, um ou dois dias a mais do que o período efetivo da visita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.