Marcelo e Costa já tinham informado Trump e a NATO sobre aumento de despesas militares

Plano português foi enviado pelo primeiro-ministro ao secretário-geral da NATO e discutido por Trump e Marcelo em Washington.

O Governo português já transmitiu à NATO o seu plano para atingir 2% do PIB em despesas com Defesa até 2024, soube o DN esta terça-feira.

A informação surge no dia em que o New York Times noticiou um novo aviso do Presidente dos EUA aos aliados, incluindo Portugal, feito há um mês no sentido de aumentarem as suas despesas militares para os 2% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2024 e como aprovado em 2014 no País de Gales.

De acordo com as fontes, o primeiro-ministro enviou a proposta por carta ao secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, ainda antes do encontro da semana passada entre os presidentes dos EUA e de Portugal.

Nessa cimeira em Washington, Donald Trump e Marcelo Rebelo de Sousa "discutiram [...] o plano credível de Portugal para atingir as metas de despesa com defesa da Aliança". Esta informação consta da nota publicada pela Presidência da República sobre essa audiência na passada quarta-feira, 27 de junho.

As aquisições das novas aeronaves de transporte militar KC-390 e de mais navios de patrulha oceânica, de viaturas blindadas de quatro rodas e armas ligeiras ou sistemas de comando e controlo estão no centro desse plano de aumento faseado das despesas militares de Portugal para os 2% do PIB.

Os chefes de Estado e de Governo da NATO reúnem-se na próxima semana em Bruxelas e a questão das contribuições dos diferentes países membros volta a estar no centro das atenções, com Donald Trump a insistir que os EUA pagam muito mais que o devido.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.