Marcelo e Costa já tinham informado Trump e a NATO sobre aumento de despesas militares

Plano português foi enviado pelo primeiro-ministro ao secretário-geral da NATO e discutido por Trump e Marcelo em Washington.

O Governo português já transmitiu à NATO o seu plano para atingir 2% do PIB em despesas com Defesa até 2024, soube o DN esta terça-feira.

A informação surge no dia em que o New York Times noticiou um novo aviso do Presidente dos EUA aos aliados, incluindo Portugal, feito há um mês no sentido de aumentarem as suas despesas militares para os 2% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2024 e como aprovado em 2014 no País de Gales.

De acordo com as fontes, o primeiro-ministro enviou a proposta por carta ao secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, ainda antes do encontro da semana passada entre os presidentes dos EUA e de Portugal.

Nessa cimeira em Washington, Donald Trump e Marcelo Rebelo de Sousa "discutiram [...] o plano credível de Portugal para atingir as metas de despesa com defesa da Aliança". Esta informação consta da nota publicada pela Presidência da República sobre essa audiência na passada quarta-feira, 27 de junho.

As aquisições das novas aeronaves de transporte militar KC-390 e de mais navios de patrulha oceânica, de viaturas blindadas de quatro rodas e armas ligeiras ou sistemas de comando e controlo estão no centro desse plano de aumento faseado das despesas militares de Portugal para os 2% do PIB.

Os chefes de Estado e de Governo da NATO reúnem-se na próxima semana em Bruxelas e a questão das contribuições dos diferentes países membros volta a estar no centro das atenções, com Donald Trump a insistir que os EUA pagam muito mais que o devido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.