Marcelo e Costa já tinham informado Trump e a NATO sobre aumento de despesas militares

Plano português foi enviado pelo primeiro-ministro ao secretário-geral da NATO e discutido por Trump e Marcelo em Washington.

O Governo português já transmitiu à NATO o seu plano para atingir 2% do PIB em despesas com Defesa até 2024, soube o DN esta terça-feira.

A informação surge no dia em que o New York Times noticiou um novo aviso do Presidente dos EUA aos aliados, incluindo Portugal, feito há um mês no sentido de aumentarem as suas despesas militares para os 2% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2024 e como aprovado em 2014 no País de Gales.

De acordo com as fontes, o primeiro-ministro enviou a proposta por carta ao secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, ainda antes do encontro da semana passada entre os presidentes dos EUA e de Portugal.

Nessa cimeira em Washington, Donald Trump e Marcelo Rebelo de Sousa "discutiram [...] o plano credível de Portugal para atingir as metas de despesa com defesa da Aliança". Esta informação consta da nota publicada pela Presidência da República sobre essa audiência na passada quarta-feira, 27 de junho.

As aquisições das novas aeronaves de transporte militar KC-390 e de mais navios de patrulha oceânica, de viaturas blindadas de quatro rodas e armas ligeiras ou sistemas de comando e controlo estão no centro desse plano de aumento faseado das despesas militares de Portugal para os 2% do PIB.

Os chefes de Estado e de Governo da NATO reúnem-se na próxima semana em Bruxelas e a questão das contribuições dos diferentes países membros volta a estar no centro das atenções, com Donald Trump a insistir que os EUA pagam muito mais que o devido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.