Macron, Sánchez e Juncker em Lisboa a convite de Costa

Questões energéticas e das alterações climáticas dominarão agenda desta cimeira, que terá lugar no final do mês, por iniciativa de António Costa.

O chefe de Estado francês, o líder do Governo espanhol e o presidente da Comissão Europeia estarão em Lisboa, no próximo dia 27, a convite do primeiro-ministro português, para participarem numa cimeira sobre interligações energéticas.

Fonte oficial do Governo português disse que o Presidente da República de França, Emmanuel Macron, terá antes do início desta cimeira um almoço de trabalho com o primeiro-ministro português, António Costa.

Pela manhã, na Fundação Calouste Gulbenkian, António Costa e Macron estarão também juntos numa iniciativa intitulada "Encontro com cidadãos", que durará cerca de hora e meia e em que o chefe de Estado francês e o primeiro-ministro português vão responder a algumas perguntas formuladas pela assistência sobre os principais temas da agenda europeia.

Um encontro com idênticas características foi promovido no Porto, por ocasião da recente visita a Portugal da chanceler germânica, Angela Merkel.

No que respeita à cimeira sobre interconexões energéticas no sudoeste europeu - juntando já o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker -, realizar-se-á na parte da tarde após o almoço de trabalho entre António Costa e Emmanuel Macron.

Na cimeira, que terá lugar no centro de Lisboa, está também prevista a presença do presidente do Banco Europeu de Investimentos (BEI), Werner Hoyer.

"O objetivo central da cimeira é avançar no cumprimento do objetivo europeu em matéria de energia e combate às alterações climáticas", acrescentou a mesma fonte governamental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.