João Oliveira admite novo acordo entre PS e PCP

Perante os resultados das próximas eleições legislativas, líder parlamentar do PCP admite todas as soluções desde que seja no interesse dos trabalhadores.

O líder parlamentar do PCP, João Oliveira, admite que perante um cenário pós legislativas em que o PS seja minoritário e haja maioria de esquerda, os comunistas não deixarão de "garantir que a solução política e que a política a executar vá mais ao encontro dos interesses dos trabalhadores e do povo".

Em entrevista ao jornal Público, o deputado deixou assim claro que, perante um resultado eleitoral semelhante ao das últimas legislativas, os comunistas não se irão opor a um novo governo de coligação. E até estará disponível para um compromisso, mesmo que não haja um "papel" com um acordo formal.

João Oliveira explicou ainda que para o PCP garantiu que a decisão de aprovar o Orçamento de Estado 2019 ainda não está fechada e defendeu também o aumento do salário mínimo para 650 euros. Essa será uma das grandes batalhas do partido já para o próximo ano.

No que toca à contagem do tempo de carreira dos professores para efeitos de progressão salarial, o deputado comunista admitiu que este é ainda um problema por resolver: "O OE2018 fixou as regras do descongelamento da progressão nas carreiras e fixou também que em relação a carreiras que têm regras específicas - professores, militares, forças dos serviços de segurança, outros profissionais da administração pública -, o Governo tem de negociar o modo e o prazo como faz o pagamento da valorização remuneratória", explicou, sublinhando que "as decisões estão tomadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.