Energia: Manuel Pinho aprovou concessão de barragens sem "concurso público obrigatório"

Vítor Santos, ex-presidente do regulador da energia, a ERSE, afirmou no Parlamento, durante a comissão de inquérito às rendas do setor, que o processo de extensão da concessão do domínio público hídrico, decisão de Manuel Pinho, foi feita à margem das regras

O ex-presidente da ERSE Vítor Santos considerou hoje que "seria obrigatório" ter havido um concurso público aquando do processo de extensão da concessão do domínio público hídrico, decisão do ex-ministro da Economia Manuel Pinho.

"Não era impossível fazer aquilo que foi feito pelo Governo na altura, mas a ser feito era necessário que tivesse existido um concurso público"

Vítor Santos, que esteve 10 anos à frente do regulador do setor da energia, está hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia, tendo sido questionado pelo deputado do PSD Jorge Paulo Oliveira sobre esta decisão de 2007 do Governo de José Sócrates.

"Não era impossível fazer aquilo que foi feito pelo Governo na altura, mas a ser feito era necessário que tivesse existido um concurso público", considerou o antigo regulador, dizendo mesmo que "o concurso público seria obrigatório".

O deputado do PSD, no seguimento da interpelação, concluiu das palavras de Vítor Santos "que esta prorrogação está ferida de legalidade", afirmação que não foi contrariada pelo antigo presidente da ERSE.

Esta obrigação de realização de concurso público, na opinião de Vítor Santos, decorre por dois motivos.

"Por causa do que está estabelecido no decreto-lei que funciona como uma espécie de lei de bases do setor elétrico, no qual é estabelecido um regime de produção de mercado e, para além disso, uma cláusula dos CAE estabelece que um ano antes da sua cessação deveria ter organizado um concurso público", concretizou.

Na audição na comissão de Economia, há uma semana, quando questionado sobre esta extensão do domínio hídrico, Manuel Pinho disse que "estava tudo nos contratos de cessação dos CAE".

"Eu herdo a parte final da execução. A conceção, aprovação e pedidos de autorização foram feitos por governo anterior", acrescentou então o antigo governante.

Vítor Santos, no início da sua resposta sobre esta questão, começou por fazer um enquadramento, recordando que "após a cessação dos CAE extinguiu-se a licença de produção e o pacote legislativo de 1995 estabelecia uma correspondência biunívoca entre a licença de produção e o acesso ao domínio público hídrico".

"Cessando os CAE e cessando a licença de produção era necessário assegurar o acesso ao domínio público hídrico e também a prorrogação da licença de produção. Aquilo que deveria ter acontecido - e não aconteceu - foi que a extensão da licença de produção e do acesso ao domínio público hídrico devia acontecer até ao fim dos CAE", considerou.

Segundo o antigo regulador "a decisão que foi tomada não foi exatamente essa", uma vez que "ultrapassou o prazo do fim dos CAE e foi prolongada até ao fim do prazo dos ativos de construção civil associado às barragens", reiterando que "isto poderia ter sido feito, só que teria de haver lugar a um concurso público".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.