Partidos invocam apoios de Marcelo e Costa... mas são 'fake news'

Os nomes do Presidente e do primeiro-ministro de Portugal estão a ser "envolvidos" na campanha eleitoral da Guiné-Bissau, com grupos distintos a reclamarem "apoios" de Marcelo e António Costa através das redes sociais.

Nos últimos dias da campanha têm aparecido textos nas páginas de simpatizantes de um e de outros com supostos "apoios" de Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, recomendando o voto em figuras diferentes da política guineense.

Segundo o que se lê, tanto Marcelo como Costa "consideram" que os políticos que supostamente apoiam serão os ideais para levar a Guiné-Bissau para o desenvolvimento.

Os apoiantes de Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), afirmam que Marcelo Rebelo de Sousa terá "recomendado o voto" naquele político, como sendo "único capaz de mudar" o país.

O texto do suposto apoio a Domingos Simões Pereira é acompanhado de uma fotografia de Marcelo Rebelo de Sousa, numa sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Na página dos simpatizantes do Movimento de Alternância Democrática (MADEM, partido recém-criado por dissidentes do PAIGC) António Costa é referido como tendo apelado ao voto naquele partido.

De acordo com o texto que é atribuído à Costa, o primeiro-ministro de Portugal destaca um alegado "apoio incondicional" ao MADEM, partido que os guineenses deviam fazer confiança nas eleições de 10 de março.

Costa é apontando como tendo dito que se o MADEM for a preferência dos guineenses, irá trabalhar para que a livre circulação de pessoas e bens seja uma realidade entre Portugal e a Guiné-Bissau.

Até Donald Trump é citado como tendo declarado o seu apoio ao MADEM, segundo as páginas nas redes sociais dos apoiantes deste partido liderado pelo empresário Braima Camará, que é candidato a primeiro-ministro guineense.

A estes alegados apoios de dirigentes estrangeiros, alguns 'internautas' respondem com repúdio, mas há quem se sinta confiante na vitória do seu partido, enaltecendo as qualidades do seu líder, alegadamente reconhecido internacionalmente.

Os guineenses vão votar no dia 10 de março para escolha de 102 deputados que vão constituir um novo parlamento, após quatro anos de crise político-institucional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?