Filha de Tomé Feteira pondera recorrer de absolvição de Duarte Lima

Duarte Lima foi absolvido de se ter apropriado de cinco milhões de euros que pertenceriam a Rosalina Ribeiro, ex-companheira e secretária pessoal do milionário português Tomé Feteira

O advogado que representa a filha do milionário Tomé Feteira e é assistente no processo em que Duarte Lima foi absolvido do crime de abuso de confiança, vai analisar o acórdão antes de decidir se recorre da decisão.

Questionado pela agência Lusa sobre se tencionava recorrer do acórdão que absolveu Duarte Lima, José António Barreiros, advogado de Olímpia Feteira, declarou: "Ainda não sei. Tenho de o analisar. Só ontem à noite (o acórdão) terá ido para o Citius".

A leitura do acórdão estava marcada para 28 de janeiro, mas acabou por ser antecipada para segunda-feira, depois de o Ministério Público (MP) ter pedido a absolvição de Duarte Lima pelo crime de abuso de confiança (apropriação indevida de 5 milhões de euros).

Fonte do MP junto do Tribunal Criminal de Lisboa referiu à Lusa que, quando o procurador pede a absolvição do arguido, a decisão passa a vincular todo o MP (de acordo com a jurisprudência), razão pela qual fica afastada qualquer possibilidade de recurso pelo MP.

Duarte Lima foi absolvido de se ter apropriado de cinco milhões de euros que pertenceriam a Rosalina Ribeiro (ex-companheira e secretária pessoal do milionário português Tomé Feteira), que foi assassinada no Brasil em 2009, um crime de que o ex-deputado do PSD está acusado (mas não julgado) pela justiça brasileira.

A decisão foi divulgada esta terça-feira, em comunicado, pelo ex-deputado e antigo líder parlamentar do PSD.

No comunicado, Duarte Lima escreve que o Tribunal Criminal de Lisboa concluiu, "de forma inequívoca, categórica e exaustivamente fundamentada", pela sua absolvição, "não só da acusação do MP [Ministério Público], mas de todas as infames acusações de Olímpia Feteira", filha do milionário Lúcio Tomé Feteira.

"Tenho esperança de que, doravante, quem queira falar publicamente deste caso, não o faça sem ler esta sentença", escreve o ex-deputado do PSD.

"Gostaria de reiterar que foram tais acusações de Olímpia Feteira -- que dois tribunais diferentes, de dois países diferentes, provaram ser falsas -- que serviram expressamente de base, de motivo e de fundamento à acusação em que a polícia brasileira me atribuiu um crime hediondo que não cometi e que, com estas decisões, cai igualmente por terra", acrescenta.

Duarte Lima está, contudo, em risco de vir a cumprir pena de prisão pelo trânsito em julgado da sua condenação a seis anos de cadeia, no âmbito do processo Homeland, por burla qualificada e branqueamento de capitais.

O ex-deputado foi condenado, em primeira instância, em novembro de 2014, mas sucessivos recursos para o Tribunal da Relação de Lisboa, Supremo Tribunal e Tribunal Constitucional evitaram que esteja já a cumprir pena.

Ainda pendente no Brasil está o processo no qual Duarte Lima está acusado de envolvimento no homicídio a tiro de Rosalina Ribeiro, na localidade de Maricá, Saquarema, a 7 de dezembro de 2009.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.