Ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes vai ser constituído arguido

Tenente-general Martins Pereira será ouvido depois dos dois principais responsáveis da PJM envolvidos na recuperação das armas de Tancos

O tenente-general Martins Pereira vai ser constituído arguido no processo de recuperação simulada das armas de Tancos por parte da PJ Militar (PJM), soube esta segunda-feira o DN.

Martins Pereira recebeu o então diretor da PJM e o principal investigador da operação em novembro passado, coronel Luís Vieira e major Vasco Brazão, respetivamente, os quais lhe entregaram um memorando sobre a referida operação ocorrida um mês antes.

Atual Adjunto para o Planeamento e Coordenação do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), Martins Pereira confirmou num primeiro momento a informação dada pelo major Vasco Brazão ao juiz de instrução criminal mas foi omisso sobre o memorando e o alegado telefonema para o ex-ministro Azeredo Lopes.

A existência do documento na posse de Martins Pereira seria assumida pelo próprio dias depois, com a sua entrega ao Ministério Público.

Azeredo Lopes demitiu-se sexta-feira do cargo, sendo o seu sucessor empossado esta segunda-feira.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?