Está decidido. Vara vai começar a cumprir cinco anos de prisão

Juíza do Tribunal de Aveiro emitiu despacho em que dá três dias ao ex-ministro para se apresentar no estabelecimento prisional de Évora.

Armando Vara deve dar entrada até quarta-feira no Estabelecimento Prisional de Évora para cumprir uma pena de cinco anos de prisão, após a juíza do Tribunal de Aveiro, onde correu o processo Face Oculta, ter emitido um despacho para a detenção, com o trânsito em julgado da condenação. A juíza Marta de Carvalho deu três dias ao ex-ministro socialista para se apresentar voluntariamente no Estabelecimento Prisional de Évora, caso contrário será cumprido um mandado de detenção. O próprio Armando Vara já se mostrou disponível para se entregar e iniciar o cumprimento da pena.

O ex-ministro socialista foi condenado em 2014 no Tribunal de Aveiro por três crimes de tráfico de influência. O coletivo que julgou o caso considerou provado que o antigo vice-presidente do Millenium BCP cometeu os crimes de tráfico de influência por alegadamente ter recebido cerca de 25 mil euros em 2009 (mais prendas superiores a sete mil euros entre 2004 e 2008) para exercer influência a favor do sucateiro Manuel Godinho.

O recurso para o Tribunal da Relação do Porto não surtiu efeito com a condenação e pena a serem mantidas. Armando Vara ainda recorreu ao Tribunal Constitucional, sem sucesso. Assim, em dezembro, mais de quatro anos após a sentença em primeira instância, a decisão transitou em julgado, passou a ser definitiva e irá ser executada com a prisão de Vara.

Esta decisão da juíza surge após a Relação do Porto ter enviado o processo para o tribunal de origem do processo, a Comarca do Baixo Vouga, em Aveiro, na sequência do trânsito em julgado de condenações. Os autos foram distribuídos ao Ministério Público que emitiu logo a promoção do mandado de detenção. A decisão final ficou nas mãos da juíza titular do processo, que hoje deu seguimento à execução.

Os restantes arguidos com penas de prisão efetiva para cumprir, são Manuel Gomes, João Tavares, Manuel Guiomar, Manuel Godinho, José Penedos, Paulo Penedos, Domingos Paiva Nunes, Hugo Godinho, Figueiredo Costa e Silva Correia.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.