Está decidido. Vara vai começar a cumprir cinco anos de prisão

Juíza do Tribunal de Aveiro emitiu despacho em que dá três dias ao ex-ministro para se apresentar no estabelecimento prisional de Évora.

Armando Vara deve dar entrada até quarta-feira no Estabelecimento Prisional de Évora para cumprir uma pena de cinco anos de prisão, após a juíza do Tribunal de Aveiro, onde correu o processo Face Oculta, ter emitido um despacho para a detenção, com o trânsito em julgado da condenação. A juíza Marta de Carvalho deu três dias ao ex-ministro socialista para se apresentar voluntariamente no Estabelecimento Prisional de Évora, caso contrário será cumprido um mandado de detenção. O próprio Armando Vara já se mostrou disponível para se entregar e iniciar o cumprimento da pena.

O ex-ministro socialista foi condenado em 2014 no Tribunal de Aveiro por três crimes de tráfico de influência. O coletivo que julgou o caso considerou provado que o antigo vice-presidente do Millenium BCP cometeu os crimes de tráfico de influência por alegadamente ter recebido cerca de 25 mil euros em 2009 (mais prendas superiores a sete mil euros entre 2004 e 2008) para exercer influência a favor do sucateiro Manuel Godinho.

O recurso para o Tribunal da Relação do Porto não surtiu efeito com a condenação e pena a serem mantidas. Armando Vara ainda recorreu ao Tribunal Constitucional, sem sucesso. Assim, em dezembro, mais de quatro anos após a sentença em primeira instância, a decisão transitou em julgado, passou a ser definitiva e irá ser executada com a prisão de Vara.

Esta decisão da juíza surge após a Relação do Porto ter enviado o processo para o tribunal de origem do processo, a Comarca do Baixo Vouga, em Aveiro, na sequência do trânsito em julgado de condenações. Os autos foram distribuídos ao Ministério Público que emitiu logo a promoção do mandado de detenção. A decisão final ficou nas mãos da juíza titular do processo, que hoje deu seguimento à execução.

Os restantes arguidos com penas de prisão efetiva para cumprir, são Manuel Gomes, João Tavares, Manuel Guiomar, Manuel Godinho, José Penedos, Paulo Penedos, Domingos Paiva Nunes, Hugo Godinho, Figueiredo Costa e Silva Correia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.