Eleições europeias. "Ficar em casa é um erro"

Presidente apela à participação cívica no ato eleitoral deste domingo: "votar é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro."

O Presidente da República começa a tradicional mensagem que antecede os atos eleitorais com uma questão preocupante para os agentes políticos - a abstenção, que nas eleições europeias tende a ser elevadíssima, com valores que há cinco anos superaram os 66%. Marcelo Rebelo de Sousa diz que até percebe que seja apetecível ficar em casa, mas que isso "é um erro". Argumentos presidenciais para os portugueses irem votar este domingo: a Europa decide a nossa vida - "vai tomar decisões fundamentais para o nosso futuro" - e é de lá que têm vindo os fundos para apoiar o desenvolvimento do país.

"Venho pedir que esqueçais o que vos desgostou na campanha eleitoral, ou a tentação de pensar que é um voto incómodo, um voto desinteressante, um voto desnecessário", apela Marcelo.

Há eleições legislativas daqui a quatro meses e "é, por isso, tentador ficar em casa e deixar a outros o encargo de irem votar, guardando para outubro o voto considerado essencial."

Mas esse, frisa ao longo de todo o discurso, é pensamento errado. "Na Europa se tomam decisões que marcam o nosso presente e o nosso futuro - nas finanças, na economia, no emprego, na formação, nas escolas, no ambiente, nas estradas, no digital, na inovação", disse o afirmou chefe de Estado na mensagem divulgada este sábado.

Para logo acrescentar: "Na Europa temos tido apoio, com fundos, para fazermos muito do que sozinhos faríamos com maior custo e para mantermos, em momentos difíceis, a capacidade de nos financiarmos lá fora."

"Na Europa se tomam decisões que marcam o nosso presente e o nosso futuro."

Marcelo apela a que os portugueses deem uns minutos do seu domingo para fazer uma escolha, para que depois não se queixem da UE. "Peço-vos esse pequeno sacrifício que é não deixar nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é de todos. Até por uma razão muito simples, para no dia seguinte, não terdes, não termos, de recomeçar o queixume de que a Europa, a que pertencemos, está errada, de que a Europa não nos entende, de que a Europa não nos apoia como deveria fazê-lo, de que a Europa não é suficientemente solidária, de que a Europa se encontra dominada por aqueles que não queremos, nem aceitamos. Tudo porque a maioria esmagadora escolheu não escolher. Ou melhor, escolheu não dedicar, amanhã, uns minutos do seu tempo àquilo que vai determinar os próximos cinco ano da nossa vida."

O presidente chega mesmo a dizer aos portugueses que esqueçam o que os desgostou na campanha eleitoral e a pedir-lhes que afastem o incómodo de ir votar: "Assim começou, em tantos casos, a fraqueza das democracias. Assim começou, vezes demais, o caminho para a sedução dos poderes absolutos."

Votar não é só para os outros

Num apelo à participação eleitoral, o Presidente pede ainda que se afaste "o comodismo de achar que votar é para os outros, para os núcleos duros dos partidos, para os entendidos, para os mesmos de sempre". E num dos argumentos para que eleitores não fiquem em casa, lembra que esta é a única oportunidade para escolher os responsáveis europeus. E que ninguém deve abdicar de o fazer porque "a Europa vai tomar, nos próximos meses e nos próximos anos, decisões fundamentais para o nosso futuro".

Marcelo diz que sabe que este domingo não se escolhe o Presidente da República, os deputados à Assembleia da República, os governos ou autarquias, mas votar nas eleições europeias "é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro."

Taxa de abstenção nas eleições europeias em Portugal:

2014: 66,16%

2009: 63,22%

2004: 61,40%

1999: 60,07%

1994: 64,46%

1989: 48,90%

1987: 27,58%

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.