Deputados chumbam proibição das touradas

O projeto do PAN foi reprovado pela conjugação de votos do PSD, PS, CDS e PCP. Socialistas, sociais-democratas e bloquistas dividiram-se.

O Parlamento chumbou hoje um projeto do PAN que determinava a abolição em Portugal das corridas de touros.

Só os proponentes, o BE e o PEV votaram a favor, juntando-se a estes oito deputados do PS e um do PSD. Os restantes partidos votaram contra.

Registaram-se ainda 14 abstenções (12 do PS, um do BE e um do PSD).

O articulado tinha apenas três artigos: "O presente diploma determina a abolição de corridas de touros em Portugal"; "são revogadas todas as normas que contrariem o disposto no artigo 1.º do presente"; e "o presente diploma entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação".

Num longo preâmbulo, o PAN considerou que "os espetáculos tauromáquicos encerram em si uma manifesta desproporcionalidade entre os benefícios que geram e os prejuízos que deles resultam, na justa medida em que o direito de recreação, ainda que mascarado de herança cultural de um povo, não deveria poder prevalecer sobre o respeito pela liberdade, pela vida e pela integridade física e psicológica de animais, por um lado, nem sobre o ideal de sociedade que rejeita a violência, por outro".

Até o Mahatma Gandhi foi citado: "A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo como trata os seus animais."

"Não obstante os passos dados nos últimos anos em matéria de bem-estar animal, Portugal continua a ser um país que desconsidera grandemente os interesses dos animais, o que nos convoca a todos para a rejeição de espetáculos tauromáquicos e, consequentemente, justifica o presente projeto de lei", lia-se ainda no preâmbulo do articulado do PAN.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.