Crise na Saúde Militar: "Esta é mais uma prova da incapacidade do Ministro"

O CDS acusa Azeredo Lopes de estar a "adiar" decisões para o próximo governo, quando pede soluções daqui a oito meses para o problema de financiamento do Sistema de Saúde Militar

"Esta é mais uma prova de incapacidade do ministro de Defesa Nacional para resolver os problemas", reage Nuno Magalhães, líder da bancada centrista, à iniciativa de Azeredo Lopes para responder à crise instalada no Sistema de Saúde Militar (SSM). Conforme o DN noticiou, o ministro determinou, num despacho assinado no passado sábado, a criação de uma "plataforma" - que junta Forças Armadas e responsáveis da Saúde - para apresentar soluções, num prazo de oito meses.

Para o vice-presidente do CDS "está é também mais uma prova daquilo" que o seu partido tem vindo a denunciar, "que são as cativações até em áreas de soberania, como a Defesa, o que agrava ainda mais a situação". Para o deputado, está demonstrado que "este ministro é um incapaz". De acordo com a última estimativa, o "buraco" financeiro do SSM atingia no final de 2017 os 70 milhões de euros, com muitos pagamentos a fornecedores em atraso da parte do Hospital das Forças Armadas.

Nuno Magalhães avança que o CDS "vai fazer uma pergunta ao governo sobre quando esta situação estará resolvida" e assinala que "a criação desta dita plataforma, ou grupo de trabalho, não é mais que empurrar o problema com a barriga para o final do mandato". "É outro sinal dos tempos: um governo que já não governa, que espera eleições", afiança o dirigente centrista.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.