Crise na Saúde Militar: "Esta é mais uma prova da incapacidade do Ministro"

O CDS acusa Azeredo Lopes de estar a "adiar" decisões para o próximo governo, quando pede soluções daqui a oito meses para o problema de financiamento do Sistema de Saúde Militar

"Esta é mais uma prova de incapacidade do ministro de Defesa Nacional para resolver os problemas", reage Nuno Magalhães, líder da bancada centrista, à iniciativa de Azeredo Lopes para responder à crise instalada no Sistema de Saúde Militar (SSM). Conforme o DN noticiou, o ministro determinou, num despacho assinado no passado sábado, a criação de uma "plataforma" - que junta Forças Armadas e responsáveis da Saúde - para apresentar soluções, num prazo de oito meses.

Para o vice-presidente do CDS "está é também mais uma prova daquilo" que o seu partido tem vindo a denunciar, "que são as cativações até em áreas de soberania, como a Defesa, o que agrava ainda mais a situação". Para o deputado, está demonstrado que "este ministro é um incapaz". De acordo com a última estimativa, o "buraco" financeiro do SSM atingia no final de 2017 os 70 milhões de euros, com muitos pagamentos a fornecedores em atraso da parte do Hospital das Forças Armadas.

Nuno Magalhães avança que o CDS "vai fazer uma pergunta ao governo sobre quando esta situação estará resolvida" e assinala que "a criação desta dita plataforma, ou grupo de trabalho, não é mais que empurrar o problema com a barriga para o final do mandato". "É outro sinal dos tempos: um governo que já não governa, que espera eleições", afiança o dirigente centrista.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.