Carlos Carreiras. "Onde anda o PSD, o seu líder e os seus vices? Emigraram?"

Ex-vice presidente fala em "empatas" na direção do partido

Duas perguntas, uma crítica direta: "Onde anda o PSD, o seu líder e os seus vice-presidentes? Emigraram, já deitaram definitivamente a toalha ao tapete e apenas criticam e fazem oposição aos anteriores dirigentes do PSD?".

As palavras são de Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais e ex-vice-presidente dos sociais-democratas, num artigo de opinião publicado hoje no jornal i. "Em política, os empatas tendem a sobreviver, mas os seus representados perdem e sofrem", escreve o autarca.

A propósito da Linha de Cascais, e dos problemas apontados à ferrovia nacional, Carlos Carreiras tem mais a dizer sobre os "empatas". O exemplo é Pedro Marques, mas o ministro do Planeamento e das Infraestruturas (que tem a tutela dos transportes) "não está sozinho". "É mais um daquela espécie de representantes políticos que, em todos os partidos, tiram força à política executiva, degradam a autoridade do governo que supostamente servem e quebram os laços de confiança entre eleitores e instituições representativas. Gente que não faz História nem tão pouco fará parte dela. Empatas". "Portugal está cheio disto", acrescenta Carlos Carreiras, e não só no executivo: "No poder e na oposição".

Carlos Carreiras foi vice-presidente de Pedro Passos Coelho e foi o coordenador do partido nas últimas eleições autárquicas, que acabaram por resultar na saída do anterior líder social-democrata, tendo apoiado Pedro Santana Lopes na disputa com Rui Rio pela liderança do partido.

Na passada semana, David Justino, atual vice-presidente do PSD, acusou os críticos de Rui Rio de facilitarem a vida ao governo de António Costa. "Quando me dizem que é a direção que quer servir de muleta ao PS, não é nada. São estas pessoas que andam a servir de muleta ao Governo. É tão simples quanto isso", afirmou ao semanário SOL.

Contactado pelo DN, David Justino escusou-se a fazer comentários às palavras de Carlos Carreiras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.