"Bruxelas é a capital da Europa e isso traduz-se na opinião pública"

Como é que a Europa é vista no país onde vive? É a pergunta do DN aos portugueses que vivem em diferentes países da UE, cuja publicação hoje se inicia.

Inês Gonçalves Raposo, 26 anos, vive há dois anos na Bélgica. Investigadora em Bruxelas nas áreas da macroeconomia e finanças, numa empresa especializada em economia e política económica.

A Bélgica é um caso particular quando falamos de identidade Europeia. Bruxelas, onde vivo atualmente, é de facto a capital da Europa e casa das principais Instituições da União Europeia. Sem surpresas, isso traduz-se na opinião pública. De acordo com dados do Eurobarómetro, 74% dos inquiridos belgas identificava-se como cidadão da UE em 2018. Ainda que a Bélgica seja um país com identidades regionais particularmente vincadas, a confiança dos cidadãos na UE é considerável nas três regiões (66% na Flandres, 64% em Bruxelas e 50% na Valónia). Para os jovens e famílias que nasceram e cresceram em Bruxelas e cujo emprego não se encontra junto das Instituições, o "bairro Europeu" e os seus grandes edifícios espelhados não fazem parte da vida quotidiana. Ainda assim, a ideia de Europa vive na identidade das Universidades, no tecido sociodemográfico da cidade, e no seu enquadramento geográfico. Em duas horas estamos em Paris, Amesterdão, Londres ou Colónia; se ficarmos por Bruxelas, ouvimos mais de uma dezena de línguas. As fronteiras esbatem-se e é fácil sentirmo-nos em casa.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.