"Não pedi a ninguém para me registar" na Assembleia, diz Silvano e pede investigação à PGR

O deputado e secretário-geral do PSD nega que tenha pedido a a qualquer pessoa para marcar a presença nos dois plenários em que faltou. José Silvano apela ainda a uma"investigação com a maior brevidade" à Procuradoria-Geral da República sobre o caso que o atinge.

"Não pedi a ninguém para me registar na Assembleia da República!". Foi assim numa curta declaração, sem direito a perguntas, que o deputado e secretário-geral do PSD negou que tivesse pedido a alguma pessoa para marcar a sua presença nos plenários de 16 e 24 de outubro, em que esteve ausente. "Legalmente e eticamente não há nada a apontar-me", garantiu José Silvano no Parlamento.

O deputado disse congratular-se caso seja verdade a notícia de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) já esta a averiguar este caso que o atinge. "Saúdo a iniciativa, quem não deve não teme", disse. E mesmo que a notícia não se verifique, apelou a que essa averiguação seja feita "com a maior brevidade" pela PGR. "Não é justo uma condenação pública por inação".

Justificou que demorou vários dias a esclarecer a questão do uso da sua password porque nunca imaginou que fosse dada uma dimensão tão grande a este episódio. "Em 30 anos de vida pública nunca ninguém me apontou qualquer irregularidade". Reiterou que não tirou vantagem nenhuma económica com a marcação de presenças em dois plenários em que não esteve presente, já que anteriormente tinha tornado público que compareceu nesses dias na Assembleia da República durante a manhã. No dia 18 numa reunião do grupo parlamentar e no dia 24 presidiu a uma comissão parlamentar.

"Nunca imaginei que este episódio chegasse a este patamar", assegurou e disse não querer "expor" os seus colegas de bancada ao desgaste que o caso está a provocar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.