Histórico e inédito: militares da Força Aérea vão ter guarda-chuva

Por despacho do Chefe de Estado Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego, os guarda-chuva passam a integrar o fardamento dos militares do ramo. "Parece uma anedota, com tantos problemas por resolver", diz a Associação de Sargentos

Na tropa muitos devem ter ouvido o velho ditado "chuva civil não molha militar", mas como nada é como era, a Força Aérea Portuguesa (FAP) ousou quebrar ditados e todo um histórico de tradição, autorizando os militares usar guarda-chuva como parte do seu fardamento. É a primeira vez que tal acontece nas Forças Armadas.

Numa circular interna da FAP, a que o DN teve acesso, é assinalado que o Chefe de Estado Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego, autorizou por despacho de dois de outubro a "utilização do guarda-chuva".

Acrescenta que se destina "a ser utilizado pelos militares da Força Aérea, podendo ser adquirido pelo próprio, sem direito a comparticipação, pelo preço unitário de 12 euros, nas unidades/órgãos com secção de fardamento".

É ainda sublinhado neste documento que "este artigo de fardamento só poderá ser utilizado para proteção da chuva, quando do uso do uniforme nº1 ou nº 2, desde que o militar não esteja enquadrado em cerimónias ou formaturas".

Os militares são alertados para o facto de a utilização do guarda-chuva não impedir "o cumprimento das disposições constantes no Regulamento de Continências e Honras Militares, nomeadamente nas continências e deferências dos militares isolados".

Questionado o gabinete do CEMA sobre o motivo que levou a esta decisão inédita nas Forças Armadas nacionais, o porta-voz de Joaquim Borrego diz que "a adoção deste novo artigo de fardamento insere-se numa revisão e atualização ao Regulamento de Uniformes da Força Aérea que se encontra em vigor". Sublinha que "o novo artigo é opcional, suportado pelos militares".

Da cor azul, ao metal cromado, passando pelo fecho ZIP e fita com a inscrição FAP na capa protetora, ao número de varetas (oito), tudo é descrito com pormenor.

Na referida circular o modelo a adquirir é descrito a detalhe: da cor azul, ao metal cromado, passando pelo fecho ZIP e fita com a inscrição FAP na capa protetora, ao número de varetas (oito), tudo é descrito com pormenor (ver em baixo)

Nas redes sociais, a celeuma disparou, com vários militares, alguns oficiais, a criticarem a medida e a salientarem o adeus ao velho ditado. "Será que se usar um modelo de guarda chuva diferente, significa que o militar está mal uniformizado?", desabafava ao DN um oficial general, não escondendo a ironia.

Há ainda quem vá mais longe na paródia, propondo mesmo modelos para outros Ramos, como um para o Exército, cuja utilização era proposta para as "emboscadas" (foto em baixo).

E se Miguel Machado, tenente-coronel na reforma e ex-paraquedista, que dirige a revista militar especializada "Operacional" não se sente "chocado" com a medida, sublinhando até que "a FAP tem sido sempre pioneira em muitas coisas e esta é mais uma", já António Lima Coelho, da Associação Nacional de Sargentos (ANS), considera-a "uma anedota".

Em declarações ao DN, este dirigente associativo, que é militar da Força Aérea, lamenta que "não se tenha noção das prioridades".

"Há um conjunto de problemas sérios dos militares por resolver, que se têm arrastado ao longo dos anos, e é lamentável que haja ainda quem perca tempo a desenhar a varetas de um guarda-chuva".

Sublinha que "há um conjunto de problemas sérios dos militares por resolver, que se têm arrastado ao longo dos anos, como a assistência na doença, promoções, o novo regulamento de avaliação que está a por em causa a coesão das Forças Armadas, entre outros, e é lamentável que haja ainda quem perca tempo a desenhar a varetas de um guarda-chuva".

Lima Coelho salienta que não tem "nada contra tudo aquilo que proteja os militares" mas não compreende que esta tenha sido uma "prioridade e preocupação daqueles que se deviam dedicar a resolver os problemas dos militares. Isto é uma anedota.".

"Faz pensar que há gente com pouco que fazer. É a total inversão das prioridades. Por favor, é demais!", exclama.

Descrição do guarda-chuva da FAP:

a) Metal cromado e fibra de vidro;
b) Tecido 1 00% poliéster;
e) Abertura e fecho automático;
d) 8 varetas;
e) Capa protetora de cor azul com fecho Zip;
f) Na capa protetora contém uma "fita" de cor azul com a inscrição "FAP" de cor branca;
g) Logotipo FAP de cor branca , colocado na parte superior do punho;
h) Inscrição "FAP" de cor branca no fecho de velcro.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG