CDS acusa Costa de afirmar "linhagem de José Sócrates"

O CDS-PP considera que a remodelação do Governo anunciada no domingo mostra um reforço da ala esquerda do Partido Socialista e uma "afirmação da linhagem de José Sócrates".

As críticas dos centristas surgiram esta segunda-feira primeiro pelo vice-presidente do partido Nuno Melo e ao final da tarde num post que a presidente do CDS-PP colocou na rede social Twitter. De acordo com Assunção Cristas, "esta remodelação do é a afirmação da linhagem de José Sócrates".

Para Nuno Melo as mudanças traduzem "uma certa bloquização" dos socialistas". Segundo este dirigente a remodelação tem "uma nota ideológica", "reforça uma ala muito à esquerda", afirmou à Lusa Nuno Melo, que é também cabeça de lista do CDS-PP às europeias, à margem de uma ação de pré-campanha para as eleições de 26 de maio, depois de viajar desde Torres Vedras, de comboio.

Melo deu o exemplo de Pedro Nuno Santos, que subiu a ministro, para ilustrar o que considera "o reforço de uma perspetiva ideológica muito à esquerda no PS". São governantes que, "basicamente, no discurso, não se diferenciam muito da Catarina Martins [líder do Bloco de Esquerda] ou mesmo do Jerónimo de Sousa [líder do PCP]", afirmou.

O candidato europeu e vice-presidente do CDS considerou preocupante esta "deriva à esquerda do PS" e lamentou que neste executivo de António Costa não existam hoje do "velho PS" dirigentes como Almeida Santos ou Mário Soares, um dos fundadores do partido em Portugal.

Lembrando a história recente do país, o período pós-25 de Abril de 1974, Nuno Melo acusou o PS ir "beber muito" ao 11 de Março de 1975, o derrotado golpe de direita que ditou uma viragem à esquerda no país, por oposição ao 25 de Novembro, o movimento militar, que opôs a esquerda militar e os chamados "moderados", que ditou o fim da revolução.

Outro traço da remodelação, segundo afirmou, é que foi muito feita em circuito fechado, dentro de uma certa nomenclatura que reporta ao primeiro-ministro", António Costa.

Nesta remodelação, entram para XXI Governo Constitucional quatro novos secretários de Estado: Duarte Cordeiro, para Adjunto do Primeiro-Ministro e Assuntos Parlamentares; Maria do Céu Albuquerque para o Desenvolvimento Regional; Jorge Moreno Delgado para as Infraestruturas; Alberto Miranda para Adjunto e das Comunicações.

Estas mudanças acontecem na sequência da escolha do até agora ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, para número um do PS às eleições europeias, lista que também deverá incluir a titular cessante da pasta da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG