Festa do PSD em Chão da Lagoa: Rio pede votos para afastar esquerdas do poder

O presidente do PSD disse que nunca conseguiu ganhar sondagens, sendo a sua "especialidade" ganhar eleições. Esta foi a segunda vez que Rui Rio participou na festa dos sociais-democratas no Funchal.

"Ninguém deve ficar em casa" nas eleições regionais de 22 de setembro e nas legislativas de 6 de outubro, porque se assim acontecer "isso pode significar ter o PCP e o BE na esfera do poder", disse Rui Rio, neste domingo, na Herdade do Chão da Lagoa, Funchal, onde decorre a festa do PSD-Madeira, considerada a maior do partido a nível nacional.

Para o líder do PSD é necessário "alterar esse desígnio" e afastar a esquerda do poder para um Portugal "mais virado para o futuro e menos virado para os interesses partidários". E, para começar, conta com os votos da ilha.

"Um objetivo é manter, aqui, na Madeira, a boa governação que desde sempre a Madeira tem e que trouxe este patamar de desenvolvimento e, a seguir, é no dia 6 de outubro, com a ajuda dos votos dos madeirenses, que Portugal seja capaz de fazer um governo novo, um governo que desenvolva Portugal tal como a Madeira foi desenvolvida e um governo que tire da esfera do poder o PCP e o BE", insistiu.

O seu discurso, interrompido por momentos musicais e gritos de apoio como "Madeira é livre, olé, olé", foi sobretudo um ataque à gerigonça, uma experiência a não repetir porque o atual governo "agora promete o que não fez em quatro anos".

Rui Rio indicou que o PSD tem dois objetivos "muito importantes" a concretizar, um que é ganhar as eleições regionais a 22 de setembro e outro que é vencer as legislativas de 6 de outubro.

Promessa: se ganhar as eleições, questão do subsídio social de mobilidade será resolvida

O presidente do PSD disse também que nunca conseguiu ganhar sondagens, sendo a sua "especialidade" ganhar eleições, e garantiu que não procura afastar os críticos da sua liderança das listas de candidatos à Assembleia da República.

"Está provado que eu, em sondagens, sou mau, e realmente não tenho conseguido ao longo de toda a minha carreira política ganhar sondagens", reconheceu. Referia-se às sondagens que apontam que o PSD poderá obter o pior resultado de sempre nas eleições de 6 de outubro.

O líder social-democrata fez promessas: caso o PSD ganhe as eleições, no dia de publicação do Orçamento do Estado para 2020, a questão do subsídio social de mobilidade entre a Madeira e o continente será resolvida.

Na sua intervenção no Chão da Lagoa, Rui Rio disse também que "há um momento em que a subida de impostos tem de parar, e esse momento em que a subida dos impostos vai parar é o momento que o PSD ganhar as eleições e formar governo". O líder do PSD garantiu que "nesse dia há uma parte dos impostos que necessariamente têm de baixar segundo as margens que o Orçamento permitir".

Acrescentando: "Mas menos impostos com melhor serviço publico, com melhor organização no Serviço Nacional de Saúde, onde as pessoas tenham a possibilidade de ter a consulta de que precisam, de terem a operação de que precisam e de terem o médico de família de que precisam."

Esta foi a segunda vez que Rui Rio participou na festa dos sociais-democratas que se realiza na Herdade do Chão da Lagoa, propriedade da Fundação Social Democrata, no Funchal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.