Ex-ministro Aguiar-Branco visitou antigos estaleiros de Viana

West Sea convidou José Pedro Aguiar-Branco para verificar os resultados da subconcessão do espaço usado pela extinta empresa pública

O antigo ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco regozijou-se esta segunda-feira com "o renascimento da construção naval" em Viana do Castelo, resultante da sua decisão de extinguir a empresa pública que operava naqueles estaleiros.

Em declarações ao DN, no final da visita feita a convite dos responsáveis da empresa privada que ganhou a subconcessão dos estaleiros, Aguiar-Branco enfayizou que "é indiscutível o renascimento [da atividade] e desmente todos os que diziam" que o fim da empresa pública Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) "era a morte" dos estaleiros.

O antigo ministro da Defesa do governo PSD/CDS visitou o local na companhia do almirante Macieira Fragoso, então chefe do Estado-Maior da Marinha - depois de não terem sido convidados para assistir à entrega do navio de patrulha oceânica Sines em julho passado, numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa.

Considerando "o convite como um gesto de cortesia relativamente ao que foi o papel que representei na recuperação" dos estaleiros de Viana, Aguiar-Branco adiantou: "O que vi foi o renascimento, a recuperação pujante" daqueles estaleiros, "com 1100 pessoas a trabalhar, vários navios em construção", um dos quais - o navio de patrulha oceânica (NPO) Setúbal - "tínhamos encomendado" à West Sea.

"Toda a gente pode ver e é indiscutível" a recuperação dos estaleiros de Viana do Castelo, "não foram promessas", frisou o ex-ministro da Defesa, garantindo que voltaria a tomar as mesmas decisôes apesar da polémica e dos processos e investigações judiciais a que deram origem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG