Paulo Portas foi a Cascais apoiar Nuno Melo e pedir voto dos eleitores PSD no CDS

O antigo líder do PP voltou aos comícios e afirmou que "o país padece de um desequilíbrio excessivo a favor das esquerdas mais radicais e nunca a prosperidade de uma nação se construiu duradouramente com essas forças"

Paulo Portas, antigo líder do CDS-PP, regressou esta terça-feira, por uma noite, aos comícios partidários para apoiar Nuno Melo na corrida às europeias e fez um apelo aos eleitores "não socialistas", incluindo do PSD.

Portas discursou cerca de 25 minutos, perante centenas de simpatizantes e militantes do CDS-PP, no mercado de Cascais, distrito de Lisboa, e resumiu aos três minutos iniciais as suas reflexões e apelos sobre as eleições europeias de domingo.

O ex-vice-primeiro-ministro e líder do CDS-PP "durante 16 anos", como fez questão de lembrar do palco, lembrou que Nuno Melo, cabeça de lista, e Pedro Mota Soares, "número dois", foram seus vices no partido e disse ter "esperança que ambos sejam eleitos" e que o partido "avance e recupere os dois deputados" -- a meta fixada pela própria direção de Assunção Cristas.

"Queria dizer aos eleitores da nossa área, não socialista. O país padece de um desequilíbrio excessivo a favor das esquerdas mais radicais e nunca a prosperidade de uma nação se construiu duradouramente com essas forças", afirmou ainda. Por isso, justificou, "é importante garantir que a moderação fica à frente da demagogia e que o senso comum prevalece sobre as utopias".

A seguir, entrou na fase em que fez "algumas meditações" sobre a Europa, nomeadamente sobre a falta de liderança na União Europeia, mas "voltou" a Portugal para concordar com Assunção Cristas que "cativações e impostos é o novo nome da austeridade". E advertiu que, no Governo PSD/CDS-PP, entre 2011 e 2015, quando foi vice-primeiro-ministro, "reduzir défice de mais de 11% para 3% dá um pedacinho mais trabalho" do que fez o atual executivo.

Portas repetiu ainda o que confessou dizer aos seus "amigos socialistas", depois de elogiar a conversão do PS à ideia de controlo das contas públicas. "Quem não quer depender dos FMI da vida, de acertos e de erros, não endivida o pais loucamente", acrescentou.

Sobre a Europa, alinhou também no discurso do combate aos populismos, à esquerda e à direita, e atribuiu culpas aos moderados na Europa, por, na crise dos migrantes, terem deixado "Itália sozinha" e agora se queixarem dos "populismos em Itália".

Para o fim, o antigo líder centrista deixou a informação de que já tinha votado no CDS-PP nestas europeias, por ser um dos milhares de pessoas que, por não estar em Lisboa no domingo, votou antecipadamente. "O meu voto já lá está", afirmou, despedindo-se com uma frase - "que não vos falte a força e não vos falte a fé."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.