Costa recomenda que se evitem viagens de finalistas

O primeiro-ministro afirma que para já não há necessidade de fechar fronteiras ou escolas, mas desaconselha viagens de estudantes na Páscoa.

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que é preciso agir sem "pânicos desnecessários" na questão do coronavírus, referiu que para já não há necessidade de fechar fronteiras ou escolas, mas desaconselhou as viagens de estudantes na altura da Páscoa.

"Há uma coordenação internacional que tem vindo a ser adotada identificando quais são as boas práticas e o que é que cada país deve fazer e é assim que devemos agir, sem pânicos desnecessários mas também sem inconsciência de não perceber que há obviamente um risco", referiu António Costa.

O chefe do Governo, que falava aos jornalistas à entrada para a reunião do Conselho de Ministros, que decorre esta manhã, em Bragança, adiantou que têm vindo a ser adotadas medidas para dar resposta quando se confirmar um caso de contaminação por Covid-19.

Até lá, aconselhou o cumprimento das instruções da Direção-Geral de Saúde: lavar frequentemente as mãos, evitar mexer nos olhos, nariz, na boca e uma maior distância social.

"Mais tarde ou mais cedo" Portugal vai registar algum caso de infeção

"Creio que todos temos que estar cientes que, com o grau de expansão que o vírus tem tido, até agora temos tido a felicidade de nenhum caso positivo se ter verificado, mas mais tarde ou mais cedo algum caso positivo se vai verificar. Aquilo que nós nos temos que nos preocupar é em tomarmos as medidas sem dramatização, sem pânico, para evitar que, ainda que negligentemente, possamos ser transmissores", frisou.

António Costa referiu que, neste momento em que não há nenhum caso confirmado em Portugal, não se justifica, por exemplo, estar a encerrar escolas, mas lembrou a recomendação deixada pelo ministro da Educação para se evitarem as viagens de finalistas, na época da Páscoa, nomeadamente para o estrangeiro.

"Ontem [quarta-feira], já houve uma recomendação do senhor ministro da Educação, no sentido de, nas férias da Páscoa, que é um período em que muitas vezes há viagens de finalistas, talvez fosse recomendável evitar-se viagens de finalistas, sobretudo para zonas onde já sabemos que já se verificou risco e também viagens de finalistas para o estrangeiro, porque pode aumentar as situações de contaminação e risco", prosseguiu António Costa.

Questionado sobre o encerramento de fronteiras, Costa disse que a União Europeia está a "monitorizar permanente essa situação e até agora não se verificam os pressupostos que justificam qualquer encerramento de fronteiras".

"Até agora, nenhum país da União Europeia fechou as fronteiras e neste momento não está previsto. Se vier a ser necessário garanto que não vai ser segredo", frisou.

Situação dos turistas portugueses no Irão está a ser acompanhada

Quanto aos cinco turistas portugueses que estão retidos no Irão, o primeiro-ministro garantiu que estão a ser mantidos contactos com as autoridades e a "assegurar que sejam criadas as melhores condições para poder ser gerida a sua situação".

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infetadas, de acordo com dados reportados por 48 países e territórios.

O executivo socialista está quarta-feira e hoje no distrito de Bragança, a onde deu o arranque da iniciativa "Governo mais próximo", que inclui visitas à região de ministros e secretários de Estado e a reunião do Conselho de Ministros.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG