"A geringonça morreu", noticiam os media espanhóis

Jornal El Mundo dá conta do fim do pacto formal entre o PS de António Costa, o Bloco de Esquerda, o PCP e os Verdes, a solução governativa que vigorou em Portugal nos últimos quatro anos e que o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sonhava replicar.

"A geringonça morreu. Não haverá reedição da aliança de esquerda portuguesa tão admirada por Pedro Sánchez". É assim que o jornal El Mundo noticia a decisão do socialista António Costa de não fazer acordos escritos com os antigos parceiros da coligação, o BE, o PCP e os Verdes, na nova legislatura.

Segundo o jornal espanhol, "depois de quatro anos de vida, confirmou-se que a geringonça, a famosa aliança de esquerda portuguesa, morreu definitivamente". Isto depois de o executivo minoritário do primeiro-ministro António Costa, o mais votado nas eleições de dia 6 de outubro, embora sem maioria absoluta anunciar que vai tentar governar sem acordos pré-definidos.

"Desta maneira, fica descartada a reedição da solução de governo que tanto fascinou a Espanha e que Pedro Sánchez aspirava a recrear, encabeçando um executivo exclusivamente socialista com o Pablo Iglesias a fazer de fiel escudeiro no Congresso dos Deputados", pode ler-se no jornal.

"Desta maneira, fica descartada a reedição da solução de governo que tanto fascinou a Espanha e que Pedro Sánchez aspirava a recrear"

De facto, "ao controlar 106 dos 230 deputados com assento na Assembleia da República, o executivo de Costa precisará de apoio de pelos menos 10 deputados de outras cores políticas para lograr a aprovação dos seus projetos de lei".

Novas eleições em Espanha a 10 de novembro

A 10 de novembro os espanhóis voltam às urnas depois de nenhum partido ter conseguido apoios para a investidura, deixando o país sem um novo executivo na sequência das eleições de abril. As negociações entre Sánchez e o Unidas Podemos de Pablo Iglesias chegou a deixar alguns a sonhar com uma geringonça à espanhola, mas a exigência de Iglesias de ter ministros num futuro governo fez cair por terra esse cenário.

Agora as sondagens continuam a dar o PSOE de Sánchez à frente, mas longe da maioria. O último estudo da Sigma Dos para o El Mundo dá 27,9% de intenções de voto aos socialistas espanhóis, à frente do PP de Pablo Casado, com 21,3%. O Unidas Podemos surge em terceiro lugar com 12,6%. Mas é o Vox, o partido de extrema-direita liderado por Santiago Abascal, a grande surpresa da última sondagem, ao obter 10,2% das intenções de voto, ultrapassando o Ciudadanos de Albert Rivera.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG