Shia LaBeouf em tratamento para combater alcoolismo

O ator foi visto a entrar numa clínica de reabilitação em Los Angeles com um livro dos Alcoólicos Anónimos na mão. O seu agente confirmou a doença, mas assegurou que ele não vai ficar internado.

Depois de, na passada semana, o seu estado de embriaguez na apresentação do musical da Broadway Cabaret lhe ter valido uma escolta policial, Shia LaBeouf decidiu, voluntariamente, começar a tratar a sua dependência de álcool.

O ator, de 28 anos, foi fotografado a entrar numa clínica de reabilitação em Los Angeles, Estados Unidos, com um livro dos Alcoólicos Anónimos na mão. "O Shia estava nervoso, não parecia estar bem. Estava cabisbaixo e nem sequer falava com o seu motorista. Parecia que não queria fazê-lo", revelou o responsável por captar as imagens.

Entretanto, um representante da estrela de cinema já veio esclarecer o assunto. "Contrariamente ao que dizem as últimas notícias, o Shia LaBeouf não se internou numa clínica de reabilitação, mas está voluntariamente a receber tratamento para a dependência de álcool", confirmou à revista norte-americana Access Hollywood, completando: "Ele percebe que as suas últimas ações são um sintoma de um problema de saúde maior e tomou o primeiro de muitos passos necessários para a recuperação".

Na semana passada, Shia foi detido pelas autoridades por ter utilizado linguagem ofensiva, por ter batido nas costas de várias pessoas e por ter acendido um cigarro durante o espetáculo. O episódio vai levá-lo a tribunal no dia 24 de julho.

O ator chegou a revelar publicamente que o seu pai sofreu do mesmo problema e que, quando era criança, acompanhava-o às reuniões dos Alcoólicos Anónimos. Em 2008, LaBeouf esteve dois meses internado para tratar o alcoolismo mas, três anos depois, confessou ter voltado a cair no vício.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.