'Harry Potter' vai internar-se para deixar de fumar

O ator Daniel Radcliffe vai submeter-se a um tratamento à base de dieta, desporto e ervas medicinais para superar a dependência de cerca de 20 cigarros por dia.

Aos 24 anos, o feiticeiro mais famoso do planeta decidiu internar-se numa clínica de desintoxicação para deixar de fumar definitivamente, avança a revista britânica Daily Star. Recentemente, o ator fez hipnoterapia para tratar o vício de 20 cigarros por dia mas, por este não ter surtido efeito, decidiu adotar medidas drásticas.

"Vai ser um programa de tratamento que envolve aconselhamento, individual e de grupo, controlo de stress e curativos à base de ervas para ajudar com os sintomas de negação", revelou uma fonte da publicação. "Também haverá um programa de exercício físico completo, que inclui natação, corrida e ioga", contou ainda.

Mas o tabaco não é a única dependência com a qual Radcliffe já teve de lidar. Há três anos, internou-se numa outra clínica de reabilitação para largar o álcool. "O Daniel já reconheceu, no passado, os seus demónios da bebida. Felizmente, conseguiu superá-los. Por isso, ele agora vê os cigarros como o seu último vício a dominar e está confiante de que será bem sucedido", explicou a mesma fonte.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.