Segredos de família que Yves Saint Laurent morreu sem conhecer

Marianne Vic revela em livro algumas das histórias da família do estilista que faleceu sem saber que a mãe tinha sido violada em criança

"Rien de ce qui est humain n'est honteux" (Nada do que é humano é vergonhoso), é o mais recente livro de Marianne Vic, sobrinha de Yves Saint Laurent, que guardou por 16 anos um segredo familiar, que agora torna público: a violação da mãe do estilista, quando tinha apenas 5 anos de idade, pelo padrasto, lê-se numa reportagem do Le Point.

"Eu nunca pensei sequer em contar-lhe [a Saint Laurent]", explica Vic, filha de Brigitte, irmã do estilista, a quem a avó Muller confidenciou o segredo em 2002, poucos dias depois de o estilista ter anunciado a sua retirada do mundo da moda.

"Nunca compreendi porque é que ela me tinha escolhido. Porque é que não contou a um dos três filhos, que ainda estavam vivos?", questiona a escritora num artigo publicado pelo El País.

"Um segredo de família é sempre um veneno. Seja qual for, devora-te por dentro", solta.

Este segredo não vinha sozinho. Lucienne, a mãe do designer, era também ela filha de uma violação. A mãe tinha sido violentada pouco depois do casamento com um banqueiro da Argélia colonial. A fim de evitar que a escalada social da família fosse retardada pelo escândalo, a menina foi confiada a uma ama de leite e passou os primeiros cinco anos de vida a viver num lar adotivo.

Foi quando regressou a casa da mãe, para viver com ela, que foi vítima da violação do padrasto, segundo revela o livro de Vic recentemente publicado em França.

"Eu não queria transmitir este peso aos meus filhos", diz justificando a obra, que surge agora para colocar o segredo a descoberto 16 anos depois de a avó lho ter confiado.

A sobrinha de Yves Saint Laurent esperou da morte do tio, da avó e da mãe, Brigitte, para contar ao mundo o que tinha acontecido com a mãe do estilista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.